Toronto/Jerusalém/Palestina em 3 dias (2016)

Nos últimos anos deixei de postar muita coisa e hoje me arrependo. Não contar sobre minhas viagens é um crime, porque acabarei inevitavelmente esquecendo boa parte. Nunca falei da minha uma semana em Paris (tá nos rascunhos, quem sabe um dia?) em 2015; do bate-volta às Bahamas no mesmo; da Alemanha/Bélgica/Espanha ano passado; nem da Argentina, nem do Chile. Foram viagens ótimas, cada uma com suas bizarrices, peculiaridades e perrengues. Quem sabe um dia eu animo, né?

Mas, por ora, vou me ater à uma viagem realizada em setembro de 2016, que ainda tá “meio” fresca: 3 dias entre Canadá/Israel/Palestina. Sim, você leu certo. 3 continentes (se considerarmos o Brasil-América do Sul como origem) em 3 dias. Céus, virei meu pai hahaha

Sim, sim. Essa foi mais uma viagem paitrocinada. Ele sempre jura que é a última vez. Uma hora será. Mas enquanto pintarem… Quem sou eu para recusar, não é mesmo?

A loucura da vez surgiu com mais uma promoção do site Melhores Destinos. Ida e volta para Tel-Aviv, pela Air Canada, por MIL FUCKING REAIS POR PESSOA.

Claro que ficou mais caro que isso. Afinal, tinha conexão em Toronto, e o Canadá exige visto, mesmo que de trânsito. Foi uma chatice correr atrás disso, além de custoso. Mas ok.

Eu já tinha estado em Israel e Jordânia em 2012. O relato você pode acompanhar aqui.

Marcamos a viagem para o feriado de 7 de setembro. Saída na quarta, 7, a tarde, volta na segunda, 12, de manhã. Estaria em Israel novamente durante o Shabat, o dia santo, quando tuuudo fecha. Mas fazer o que, né…

Vamos ao relato.

7 de setembro, quarta-feira

Decolamos de Guarulhos 20h e pouco num avião meio velho da Air Canada. Voo lotado. Jantar bem sem graça. Triste.

Quase 10h de voo inteiro noturno até nossa primeira parada: Toronto.

8 de setembro, quinta-feira (Toronto)

Em 2004, passei 2 meses no Canadá fazendo curso de inglês (a linguagem é miguxa e detestável, mas conto um pouco da época aqui e aqui). E uma foto ridícula da época aqui:

Na oportunidade, pude conhecer super bem Toronto e suas redondezas. Também estive em Quebéc, Montreal, Ottawa, Vancouver e Whistle.

12 anos depois, muita coisa deve ter mudado em Toronto. Mas só teríamos algumas horas pra fazer um rolê pela cidade, antes da conexão para Tel-aviv.

Meu pai nunca tinha estado em Toronto. Ele pensou em ir à CN Tower, que é uma torre enorme, cartão postal, com vista panorâmica, mas estava um dia HORROROSO. Não valeria o alto custo. Preferimos pegar o metrô e ir até o centro, dar uma volta por lá e fim. Barato e eficiente.

Do aeroporto, fomos de trem até a Union Square. Chegando lá, vimos um ônibus gratuito que ia entre a localização onde estávamos e o pequeno aeroporto Billy Bishop, também no centro de Toronto. Meu pai, TARADO por aviação, quis conhecer. E lá fomos nós.

Até que o passeio valeu a pena, pois o aeroporto tem umas particularidades interessantes, como por o exemplo o fato de ficar em uma ilhota, e, para alcançá-la, há duas formas: uma passagem subterrânea ou uma balsa:

Screen Shot 01-13-17 at 05.14 PM.PNG

Fomos pela passagem subterrânea.

Para entenderem o aeroporto, essa foto minha tirada em 2004 do alto da CN Tower ajuda:

O aeroporto tem uma decoração toda temática Billy Bishop, um conhecido aviador canadense que fez história principalmente na I Guerra Mundial. Tem até uma réplica do avião dele, ó que fofo. Desculpem pelas fotos péssimas, mas meu celular tava nos seus últimos dias de vida.

screen-shot-01-13-17-at-05-19-pm

Pegamos o mesmo ônibus para voltar à Union Station.

Tava um dia realmente horroroso. Abafado e chuvoso. Então o rolê foi curto.

Fomos até o Entertainment District. A Broadway de Toronto. Ia ter um festival de cinema no mesmo dia, a noite, então as ruas do bairro estavam fechadas para tráfego de carros. Ótimo para passear.

O bairro é uma graça, cheio de bares, restaurantes e teatros:

screen-shot-01-13-17-at-05-20-pm

Andando na direção contrária, fomos parar na frente da igreja St. Andrews:

screen-shot-01-13-17-at-05-19-pm-001

Interessante notar, na panorâmica acima, a CN Tower, à direita. Entre dois prédios bem altos, logo atrás de um edifício meio achatado e baixo. A vista de lá é foda e deve ter mudado bastante em 12 anos, né?

Passeio super rápido, mas valeu.

Depois voltamos para o aeroporto. Meu pai tinha um esquema lá para usarmos a sala vip por 3 horas. Mas era uma sala VIP humildona. Pelo menos tinha vinho. Bebi, hein. Bem.

screen-shot-01-13-17-at-05-20-pm-001

O voo para Tel-aviv, marcado para 16h30, atrasou mais de 2h (aliás, 3 dos 4 voos que fiz com a Air Canada nessa viagem atrasaram mais de uma hora. Fica aqui a crítica). Com esse atraso, perdi um passeio que faria em Jerusalém logo que chegasse, no dia seguindo. Paciência, né =/

Além disso, embarcamos no avião e… Nosso assento era aquele sem janelas. Fiquei louca com o meu pai. Ele é o PHd em aviação. Não sabia que nosso assento era sem janelas? Ele disse que não.

Mas eu tava puta da vida. Juntando isso com o consumo excessivo de vinho (a bebida da BAD) e uma crise fortíssima no meu então “relacionamento” lá em São Paulo, a coisa tava FEIA. Passei metade do voo chorando HAHAHA.

Ok, volta pra viagem.

Tenso quando o trajeto do seu voo mal cabe na tela, né?

screen-shot-01-13-17-at-05-20-pm-002

Provavelmente o voo mais longo da minha vida. Mas o da volta (14h) seria pior. Entre 7 e 12 de setembro, foram gastas 46h da minha vida em aviões. Joia.

Bom, não tinha janela no meu assento, mas quando fui ao banheiro fui contemplada por esse visual maravilhoso do balneário de Antália, na Turquia:

screen-shot-01-13-17-at-06-00-pm-001

9 de setembro, sexta-feira (Jerusalém)

Deveríamos chegar 10h, chegamos depois do meio-dia. Dureza. Nesse ponto, meu pai e eu nos separamos: ele ia para Petra, Jordânia (já tinha ido em 2013), e eu iria para Jerusalém. Nos encontraríamos apenas no embarque da Air Canada do voo Tel-Aviv – Toronto. E ele com um celular ultrapassado incapaz de mandar qq sinal de fumaça. Tem tudo pra dar certo, né?

Bom, 1h de táxi compartilhado e eu estava lá em Jerusalém, no mesmo hostel da última vez, o excelente Abraham Hostel. Um ótimo café da manhã, quarto privado bacana, localizado a 15 minutos a pé da cidade antiga (a parte sagrada).

Eram 14h quando cheguei. O tour que eu pretendia fazer – Holy City Tour já era. Sim, tour. Em 2013 fiz isso por conta própria e me dei mal. Manjo zero de religião e fiquei boiando nos lugares históricos, que obviamente não têm placas com “aqui acredita-se que Jesus carregou uma cruz”, sabe? Bom, mais uma vez fiquei sem saber o que Jesus fez ou deixou de fazer naqueles lugares em que vi tanta gente praticamente lambendo o chão e chorando.

Optei por um tour às 17h. Assim, eu poderia dar uma descansada (22h de avião, veja bem). Fiz isso.

16h30 estava lá no Jaffa Gate, a principal porta de entrada da Old Town, pro Tour Shabbat Experience.

A ideia do tour era dar um rolê pelos pontos históricos do judaísmo, no Dia Santo, e terminar o passeio no auge da celebração do Shabbat, no Muro das Lamentações.

Enquanto o sol começava a se pôr, passamos por sinagogas e outros pontos históricos.

screen-shot-01-13-17-at-06-00-pm-002

Abaixo, o Muro das Lamentações e ao fundo o Monte das Oliveiras. Uns 35 graus. Mas lindo ❤

screen-shot-01-13-17-at-06-01-pm

Um dos locais mais sagrados do judaísmo, acredita-se que o muro é o que restou de um dos mais antigos templos dessa religião – construído originalmente antes de Cristo. É também um símbolo da vitória de Roma sobre os judeus, que por séculos estiveram impedidos de acessarem a área.

O Muro das Lamentações divide homens e mulheres. Na foto acima, dá pra ver uma barreira bem no meio da foto, um pouco à direita da bandeira de Israel.

Só que os tempos mudaram e os movimentos de igualdade entre gêneros começaram a demandar um local para que homens e mulheres orassem juntos. Pois bem. Ele existe e fica do lado da concentração original. Mas permanece vazio. Ou utilizado por turistas como nós.

screen-shot-01-13-17-at-06-01-pm-001

O sol estava se pondo. Os cantos e orações ficavam mais altos. É exatamente nessa hora que começa o Shabat – todos devem parar e cultuar a deus.

Então, dividimos o pão e o vinho (suco), comemos e oramos (eles, não eu) – assim como é a tradição judaica.

Depois voltamos para a parte central do muro. Era o auge. Muita cantoria, muita dança. Próximo ao muro, silêncio alternado com pessoas chorando, orando compenetradíssimas. Acho uma loucura esse lance de religião, sério.

Fiz até um videozinho:

Impressionante. Energia poderosa.

Os trajes também chamavam atenção, principalmente os judeus ortodoxos, com suas barbas longas, chapéus e cachos.

Sempre lembrando que era verão no Oriente Médio e a temperatura estava alta. BEM ALTA. Mesmo durante a noite.

Depois dessa experiência magnífica, voltei para o hostel pelas avenidas que a pouco estavam cheias, mas agora não tinham viv’alma. Nada, nada. É bizarro. Até um pouco assustador. Uma noite muito quente e nenhum ser vivo na rua.

Cheguei ao hostel, tomei um banho e desci ao bar para jantar. Antes, uma cerveja, claro. Shapiro, a principal marca da região.

screen-shot-01-13-17-at-06-35-pm-001

O jantar? Pizza. Shabat, né. Tudo fechado. Tinha que me garantir no hostel, mesmo.

Daí tô lá tomando minha 4ª pint e senta um cidadão do meu lado, claramente alemão, e puxou papo. Pensei: eba, hora de treinar o alemão! Não durei 3 frases, juro. No alto do meu nível intermediário no Goethe Institut, NÃO FUI CAPAZ DE FALAR TRÊS FRASES. Ele perguntou se eu preferia inglês. YES, PLEASE. E ainda perguntou: ou espanhol? PORRA COLEGA, NÃO PRECISA HUMILHAR HAHAH

É, enfim, peguei o cara. Stefan. Um alemão de Stuttgart que ama o Brasil e tava usando havaianas. hahaha clichêzaço.

Só que ele queria ir pro meu quarto (privativo), eu tava zero afim (lembram que eu falei que tava em crise amorosa à época?). Tava exausta e morrendo de sono. Ele me levou até a porta do meu quarto e por lá – do lado de fora da porta – ficou.

Eu entrei e desmaiei. 22h de avião, rolê no calor de Israel, alimentação toda zuada, 5 cervejas e acordaria às 6h no dia seguinte. Há limites.

10 de setembro, sábado (Cisjordânia-Palestina)

Acordei de boa e tomei aquele café da manhã fodão que até nutella tinha.

Às 7h veio o ônibus que nos levaria pelo tour do dia – Best of the West Bank. Em outras palavras, bora conhecer a Palestina.

A loucura começou a poucos quilômetros de Jerusalém. O ônibus parou NO MEIO DA ESTRADA. Um cara desceu, outro entrou. Era o guia. A explicação: “sou cidadão palestino, não posso entrar em Israel”. SENTE O DRAMA. E ainda nem tinha começado.

Que tal essa placa aqui, que aparece várias vezes pela estrada?

p_20160910_084511

Primeira parada foi Qasr-el-Yahud, o local de batismo de Jesus, no Rio Jordão. Um filete de água turva venerado como se fosse um oceano. Se liga na galera pra se batizar:

p_20160910_083038

Saca a escada do outro lado? É da Jordânia. Se ultrapassar toma tiro. Oriente Médio é loucura.

 Próxima parada: Jericó. A cidade mais antiga do mundo. Há historiadores que discordam, mas a placa tá lá:

p_20160910_092915

DEZ MIL ANOS. É tempo pra caralho.

Além de antiga, é a cidade mais baixa do mundo. Está a 1300 metros ABAIXO DO NÍVEL DO MAR. Praticamente o inferno.

Andamos pelas ruínas da cidade antiga, mas tava um calor de 48ºC (!), não tava rolando.

Por ser tão abaixo do nível do mar, NÃO EXISTE BRISA. É um calor sem igual nessa desgraça de cidade. Sem brincadeira. O guia falou que mesmo no inverno rigoroso (rysos), nunca cai abaixo de 30ºC. HAHA. DEUS ME LIVRE.

Próxima parada: Ramallah, a capital da Palestina. No caminho, esse visual de aridez infinita.

p_20160910_094835

Visitamos em primeiro lugar a tumba de Yasser Arafat.

p_20160910_102308

Árabe, não trabalhamos. Mas diz algo como “lutou pela paz”, “líder palestino” e as datas de nascimento e morte (nasceu em 1929, 2004 morreu).

Sim, sou a ridícula que tira foto com os guardas que fazem a segurança do túmulo.

É difícil falar de Israel, Palestina, Shimon Perez, Yasser Araf sem tomar partido. É terrível o quanto de desgraça aconteceu com o povo judeu ao longo dos séculos. É terrível tomar o país alheio e dizer “ó, judeus, tá aqui sua terra prometida”. É terrível o conflito permanente e a sensação de guerra constante no Oriente Médio – algo que nós, brasileiros, não temos A MENOR IDEIA. A guerra está arraigada na cultura árabe e judia. Na cultura brasileira, guerra é algo distante. Imaterial, até.

Enfim. Isso tudo pra dizer que é foda meter o bedelho.

Enfim, centro de Ramallah.  TODA A LOUCURA ÁRABE EM SUA ESSÊNCIA. Calor infernal, trânsito, muçulmanos, barulho, caos.

p_20160910_110146

A cidade estava uma bagunça e nosso grupo tinha quase 40 pessoas (a maioria alemães e suíços, eu a única brasileira, AMÉM). Foi um grande desafio andar pela cidade, já tão abarrotada, sem perder ninguém.

Ramallah é uma típica cidade árabe. Nada mais a acrescentar aí.

Foi por lá que almoçamos. Num restaurante abafado e bem típico, enquanto todos comiam esfihas e zaatar (quero, amo!), fomos agraciados com um sem graça arroz com frango. Decepção. Amo comida árabe legítima! Mas enfim.

Próxima parada era Belém. Nesse trajeto há muitos grafites do Banksy, como esse:

p_20160910_144545_bf

Bom. Belém.

O clima lá é pesado, ainda que seja (acredita-se), o local de nascimento de Cristo.

É BEM NA FRONTEIRA com Israel e é lá que ficam os muros separando os estados de Israel e Palestina.  É uma vibe pesadíssima. O Muro de Berlim é pesado, mas esse é pior: é algo atual. É um conflito permanente. Os barulhos de explosões são quase diários e nós, turistas, recebemos instruções ao adentrar a área. O guia passa a tarde no celular pra saber se está tudo bem. É tenso de verdade.

Mas a parte palestina do muro virou uma galeria  céu aberto. São quilômetros de mensagens contra a guerra, contra a tirania. É emocionante. Tirei poucas fotos, mas todas valem o post:

Ainda em Belém, fomos a uma doceria típica. FINALMENTE COMIDA ÁRABE \o/

Eu não tenho a mais puta noção de como chame esse doce, mas leva mussarela de algum bicho estranho da região, pistache, mel e macarrão fio de anjo. ISSO É FRITO E QUENTE.

(update) Parece que achei, chama Knafeh essa obesidade mórbida. É a versão árabe do cheesecake. É uma delícia, mas EXTREMAMENTE pesado. E é uma gorda quem vos fala, tenho autoridade. hahaha

Comi inteiro, pois ÚNICA OCASIÃO NA VIDA.

Uma rua no centro de Belém.

p_20160910_160208

Atenção para o nome dessa rua:

p_20160910_160618

ESTAMOS NO CENTRO DE BELÉM, PALESTINA, ORIENTE MÉDIO, E A RUA TEM NOME EM ESPANHOL. Não sei lidar. E não lembro da explicação. *.*

Próxima parada: Basílica da Natividade, Belém. Local onde Cristo nasceu (ou não, parece que dependendo da corrente do cristianismo, o lugar difere). Enfim.

p_20160910_161021

O caos. Muita gente. Calor do inferno. E a igreja desce escadas. É QUENTE DEMAIS.

p_20160910_162816

Eis o pico onde Jesus Cristo nasceu (de acordo com os católicos).

Também dei minha ajoelhada e ~pensei positivo~. Mal não faz, né?

E esse foi a última parada do nosso day tour pela Palestina.

Triste, mas acho que fiquei devendo. Não consegui colocar em palavras o que senti pisando no Palestina. Foi foda. Intenso. Triste. Único.

Depois disso voltamos para o hostel. Chegamos no começo do anoitecer.

Tomei merecido banho e fui pro bar tomar umas cervejas. Subi no meu quarto pra pegar minhas coisas e sair atrás de jantar. Tô lá e batem na porta. STEFAN, o alemão do dia anterior. Chegou agarrando. Preguiça. Falei para me encontrar no bar mais tarde, pq eu ia sair pra jantar. Disse que ok.

Saí.

Se na noite anterior as ruas de Jerusalém estavam às moscas, o day after do Shabat era a festa total. TODO MUNDO na rua. Festa, Cantoria. Muitos, muitos jovens. Um clima de AZARAÇÃO. Eu sei que a palavra soa idosa, mas os jovens de Israel usam vestidos abaixo dos joelhos/calça e camisa social na night de 35ºC. Loucura.

Ah, sim. É rara a comercialização de bebida.

Fiquei ali na praça observando o movimento enquanto devorava meus Falafels.

Voltei pro hostel, tomei mais uma cerveja no bar (o alemão não apareceu, PQ SERÁ NÉ). E fui dormir.

10 de setembro, domingo

Tomei café da manhã correndo e fui esperar o transfer pro aeroporto. Demorou um século – a ponto de eu tomar um novo café da manhã #gorda

Cheguei ao aeroporto 10 min antes do combinado com meu pai e tentei fazer nosso check-in. O sistema não aceitou. Esperei.

Passaram 15 min da hora combinada. 30 min. 45 min. MEU PAI NÃO É DE ATRASAR.

Morreu, pensei. Deixa eu fazer o checkin, entrar na sala de embarque, que lá tem wi-fi e tento ver o que fazer, pensei. SOU PÉ NO CHÃO, DESCULPA SE PAREÇO INSENSÍVEL.

Entrei na fila do check-in. PUTA FILA.

Mais meia hora passa. Falta 1h30 pro voo, 40 min pro embarque. Faltavam 5 pessoas para eu ser atendida. E MEU PAI APARECE EXASPERADO E FURIBUNDO. Aparentemente ele teve problema em TODOS os controles de imigração em q passou. Israel queria saber pq só ficaria 2 dias. E pq só iria à Jordânia. E pra eles entenderem que: a) ele já conhecia as principais atrações de Israel; b) a passagem estava o equivalente a 300 dólares ida e volta; c) ele não poderia dispor de mais de 2 dias para essa viagem.??? Israel encrencou. E feio. Raio-xizaram até as cuecas dele. Num grau tão foda que ele desistiu da próxima aventura louca dele, que estava marca para dali 2 meses. Traumatizou.

Mas ele tava lá. Num humor do cão, mas tava. Fizemos o check-in, embarcamos.

Voo MARAVILHOSO – 14h de voo, inteiro DIURNO. Céu claro em toda a Europa. Vimos a Turquia, vimos Praga, vimos cidades da Alemanha. Só no Oceano que zoou o tempo e ficou encoberto. Porém, aconteceu.

Mas também aconteceu, ali pela região da Islândia, de um outro avião emparelhar com o nosso, como se estivesse apostando corrida, A DEZ MIL METROS DE ALTITUDE E 900 KM/H. Juro que fiquei com medo. Tava muito, muito perto. filmei:

A chegada ao Canadá foi linda. Sobrevoamos toda a região dos lagos, num belo dia de verão. Tava da hora:

p_20160912_000443

Cadê os ursos e a neve, né? Canadá também é verdinho!

Bom, pousamos. Espera até o próximo voo. Longa. E ainda atrasou 2h.

Pousamos no Brasil com 2 horas de atraso. 12h. Eu precisava estar no trabalho – Itaim Bibi – às 14h. Estava a incontáveis horas (meu relógio cronológico pifou aí) sem banho, mas basta pensar que tomei banho ao acordar, em Jerusalém, às 5h da manhã. 6h a mais que o Brasil. Fui tomar banho de novo às 13h e pouco do dia seguinte, em casa.

UMA MARAVILHA.

E fui trabalhar.

Muito a fazer.

Tô velha pras essas coisas.

 

1 saudade: #CopaMaravilhosa

Já se passaram 2 anos e meio e a certeza é cada vez mais forte: a Copa do Mundo no Brasil foi um dos melhores períodos da minha vida. Um mês inteiro de felicidade ilimitada.

Se tem uma coisa que me dói é conversar com alguém que diz, com orgulho, que não ligou a mínima para a Copa. “Foi bom para dormir” e coisas do gênero. Me dói, de verdade. Além da dor, é pena: essa pessoa não saboreou a alegria ímpar que só uma Copa no Mundo no país do futebol é capaz de proporcionar. Mais: uma Copa do Mundo no país que é conhecido por sua espontaneidade, por sua forma informal de tratar a tudo e a todos, de rir da própria desgraça.

Um dos lemas dos manifestantes anti-copa era “Copa Pra Quem?”. A Copa passou e podemos responder com segurança: COPA PARA TODOS NÓS. FOI LINDO.

Antes de mais nada, recomendo fortemente a leitura desse texto. Ia destacar um trecho, mas o artigo é todo maravilhoso. Leiam. Aliás, leiam todos os textos relacionados à Copa postados nesse site. Dá vontade de abraçar o computador, de tanta saudade ❤


Voltemos no tempo. Em 2007, quando foi decidido que o Brasil sediaria a Copa, eu fiquei genuinamente emocionada. Tal como Lula, Pelé e afins. Sim, depois caiu a ficha: corrupção, mandos e desmandos da Fifa, toda aquela podridão que estamos cansados de saber.

Aí o tempo passou, ~o gigante acordou~, veio toda a indignação. De todas as partes. Direita, esquerda, petralhas, coxinhas, corintianos, palmeirenses, flamenguistas, família, todos. Como um país cheio de gente pobre e carente de infraestrutura até em suas cidades mais ricas sediaria um grande evento como esses?

Não vou me alongar. Todos sabemos disso tudo e estou longe de ser uma boa pessoa para falar a respeito.

Só que eu nunca duvidei de que aconteceria e de que seria incrível.

Esse sentimento esteve guardado lá no fundo. Tão fundo que cheguei a esquecer. Até porque, imagine alguém dizendo, em junho de 2013, que a Copa seria incrível?

E aí chegou a Copa.


12 de junho de 2014

Acordei no feriado de 12 de junho, o dia dos namorados mais Dia dos Solteiros de todos os tempos, me sentindo diferente. (Ok, não só pela Copa, mas…)

No caminho para casa, senti a atmosfera de São Paulo totalmente diferente do que conheci até então, naqueles meus 28 anos de existência nessa cidade que a cada dia me surpreende.

Mas aquele clima me surpreendeu MAIS.

Todo mundo na rua. Vestindo amarelo (numa época em que usar a camiseta da seleção não tinha conotação política). Feliz. Genuinamente feliz.

Eu não sou a maior fã de futebol. Já tive fases de gostar, fui a estádios algumas vezes, mas nunca torci para ninguém e tampouco tive grandes emoções por conta do esporte.

Também não me lembro de estar tão eufórica com uma Copa do Mundo. As Olimpíadas sempre me motivaram, mas não a Copa do Mundo.

Em 2002, na Copa no Japão/Coreia do Sul, muitas vezes eu não me dava ao trabalho de acordar para assistir aos jogos no meio da madrugada. Em 2006, assisti a grande parte dos jogos sozinha em casa e a única coisa realmente interessante era ir para a aula na faculdade depois do jogo e ver todo mundo bêbado, até os professores. Em 2010, eu estava na Europa. No primeiro jogo do Brasil eu estava no trânsito para ir ao aeroporto. No segundo, estava em um passeio na Holanda e nem me importei. No terceiro, estava no show do Paul McCartney na Escócia com papai.

Diante desse cenário de total descomprometimento com o futebol, qual não foi minha surpresa em me pegar, logo na abertura da Copa, TOTALMENTE APAIXONADA E ARREBATADA? Pela Copa, é claro.

Agora que o evento passou faz tempo, sou só amor para falar a respeito. Assisti a grande parte dos jogos, sabia tudo o que estava acontecendo, conhecia os jogadores, torcia, sofria, pensava nisso o tempo inteiro.

Mas o grande lance não estava apenas dentro dos estádios. E é aí que o bicho pega. O clima das ruas nas cidades-sede era a coisa mais linda, impressionante, misturada, heterogênea e tantas outras palavras indescritíveis (de novo, leiam as matérias do site Trivela). Me dá um nó na garganta de tanta emoção. E tenho a mais absoluta certeza que foi a melhor Copa de todas.

Porque o povo brasileiro, apesar de todos os pesares e de todo o viralatismo das elites, é um povo maravilhoso, que faz o possível e o impossível para receber bem o turista – as Olimpíadas mostraram isso novamente.

Não sabíamos quem estava mais feliz com tudo: o gringo deslumbrado que descobriu as maravilhas e bizarrices da cultura brasileira ou os brasileiros descobrindo os gringos que queriam descobri-los etc etc etc ad infinitum.

Sabe qual é a merda de falar de algo que nos apaixona? É que as palavras não são suficientes. Acho que não estou fazendo jus ao que essa Copa proporcionou à minha vida. E à de outros. Cansei de ver amigos e conhecidos clamando aos quatro ventos o quanto a nossa copa foi sensacional, única.

Logo no 4º dia de Copa a imprensa internacional divulgou o primeiro texto falando bem – muito bem! – da Copa. Foi esse aqui, do Yahoo (o link original não existe mais)

Uma Copa de surpresas dentro do campo. Goleadas, grandes craques, hinos à Capela. América Latina viva e forte. Torcedores encantadores e encantados. Gringos de todas as partes invadindo todos os cantos de nossas cidades. Holandeses na Guarapiranga, Ingleses em Manaus, Argentinos em tudo que é canto, torcidas apaixonadas por suas seleções e curtindo TUDO que tem direito no Brasil.

Isso sem falar nas piadas incríveis, os memes, nas torcidas, na vibração.

O que tanta gente que diz que a Copa nem foi tudo isso jamais entenderá: o evento não se resumiu a futebol. Ainda que as partidas tenham sido, em grande parte, surpreendentes e maravilhosas, a Copa foi um momento ÚNICO na história do Brasil e de cada um de nós. Se você não viveu isso, APENAS SINTO. Sério.

Isso porque eu nem tive a oportunidade de ir ao estádio, assistir uma partida in loco! Imagina se tivesse ido!

A Copa foi maravilhosa. Obrigada por tudo. Nunca vou te esquecer, te amo eternamente ♥

dsc_4189

Foto tirada logo após o 7×1

♪ There’s a hole in my soul ♪

“E aí, tudo bem?”

Estou com uma imensa dificuldade de responder a essa simples pergunta retórica. Não tá tudo bem. Tô mal, tô triste, tô desmotivada, poucas coisas me animam. Só queria que o mundo parasse um pouco para eu ficar na cama chorando por dias seguidos. Não, não tô bem.

Não consigo lembrar de um período tão prolongado em que eu passasse tanto tempo chorando ou reprimindo choro.

Já tive muitas crises de tristeza na vida, mas não dessa forma. Há meses não tenho ânimo para absolutamente nada. Para terem uma noção: desisti de viajar no fim do ano. Não quero ir pra lugar nenhum, viagens já não são suficientes para diminuir o buraco dentro de mim.

Para toda a humanidade, tá tudo ok na minha vida. De fato, não posso reclamar da grande maioria das coisas. Trabalho? Não amo, mas é o melhor que eu poderia ter, sem a menor sombra de dúvida. Não me sobrecarrega, não me estressa, não me mantém acordada a noite. Dinheiro? Moro com meus pais, então meus gastos são basicamente comigo, tipo pagar terapia (sim, desde o começo do ano tô na terapia), internet, coisas do dia a dia. Como sou filha única, vou herdar tudo (não é muito, mas o suficiente para eu não morrer de fome na velhice). Além disso, guardo uma grana para eventualidades. Amigos? Ok. Tenho muito menos contato com eles do que gostaria, mas eles são muito importantes para mim. Aliás, os botecos não tão frequentes com eles são alguns dos poucos momentos em que não estou na melancolia completa (sim, o álcool ajuda muito). Saúde? Bem, obrigada. Família? Nem bom nem ruim. Vamos nos tolerando, algumas brigas tensas, períodos de calmaria. Comparando com os períodos realmente horrorosos que já vivemos, tá até ok.

O que nos resta? Sim, sim. Amor. Afeto.

Aí você vem me dizer: TODO ESSE DRAMA POR CAUSA DE HOMEM?

Se você realmente quer fazer Olimpíadas de Sofrimento, talvez possa parar por aqui e vazar.


Olha só: são 30 anos, provavelmente metade da minha vida, sem afeto, carinho, amor. De nada, de ninguém. Exagero? Você realmente precisa ler/reler esse post e esse post para tentar compreender como foi minha infância e minha adolescência. Claro que meus pais têm consideração por mim, gostam de mim da forma deles. Tô morando com eles até agora, né? Mas nunca expressaram isso. Nunca tive alguém com quem contar, para quem desabafar, sabe?

Daí a pessoa cresce e começa a desejar afeto. Deseja se sentir amada por alguém. Só que isso nunca acontece. 30 anos desejando um pão inteiro e não recebendo nem migalhas.

Daí a pessoa desenvolve uma compulsão alimentar fodida. O chocolate (inteiro) antes de dormir é o símbolo do que eu mais sonho: alguém para me abraçar antes de eu pegar no sono, e dizer que vai ficar tudo bem. Comfort food.

E daí a pessoa engorda, autoestima já no chão fica ainda pior… etc etc.


Semana passada fui visitar o bebê recém-nascido de uma grande amiga. Assisti o vídeo do parto (humanizado, em casa, com doula e tal). Emocionei. Chorei. Na hora, a emoção foi pela felicidade deles, pela realização do sonho deles. Assim como chorei no casamento. Em todos os casamentos que já fui, na verdade. Chorei até vendo o primeiro beijo de uma amiga no cara por quem ela era apaixonada há anos. A felicidade alheia me comove muito. Às vezes até parece que eu fico mais feliz pelas pessoas do que elas mesmas!

Só que, depois, voltando sozinha pra casa, bateu a realização de que eu não sei se quero casar e ter filhos. Eu não me permito sonhar com isso. Não consigo nem ter alguém pra estar ao meu lado, me abraçar e me sentir amada! Que dirá CASAR E TER FILHO. Daí fiquei revendo aquele vídeo do parto na cabeça… E pensei: eu até poderia ser mãe solteira. Mas QUEM estaria do meu lado no parto? Aliás, quem estaria do meu lado a qualquer momento da minha vida?
Isso mesmo. Ninguém. Não tenho ninguém. Essa dor da solidão é avassaladora e ocupa um espaço cada vez maior dentro de mim.

E é claro que isso afasta ainda mais as pessoas.


Por tanto, sou extremamente vulnerável e carente. Se alguém me dá uma migalha de afeto, eu me jogo de corpo inteiro. E sempre penso “dessa vez será diferente”. Mas nunca é. De modo que cada decepção dói de uma forma quase insuportável. Me derruba.

Imagina. Cada cidadão com que saio, que parece se interessar por mim, pela minha vida, será inevitavelmente fonte de um sofrimento grande. Mais um pra conta. Mais um tijolinho na muralha de amargura, que é como eu me sinto.

Não era pra gente sofrer cada vez menos com essas coisas? Criar uma casca, ou algo assim? Talvez, se você é uma pessoa “normal”. Mas pra mim, não. Me sinto cada vez mais sozinha, cada vez pior.

E daí, com esse psicológico cagadíssimo que só piora dia após dia, achei uma boa ideia me envolver com alguém que já tinha uma mínima noção do meu estrago emocional (geralmente as pessoas não tem ideia de como sou). Dói pra caralho pensar que das únicas DUAS boas semanas que tive em 2016, uma delas foi por causa dele. Pq? Acreditei mais uma vez que dessa vez seria diferente. “Ele me compreende. Pode me ajudar. Me dar um apoio”.

AHÃN. VAI NESSA, TROUXA.

Não vou entrar em muitos detalhes, disse que não iria o expor e não vou, até pq ele não foi um babaca.

Ele agiu como boa parte da população age com pessoas que carregam uma dor muito grande: se distanciando. Compreendo. Não é fácil lidar com toda a carência e atenção que eu demando. Sei que me excedi. Praticamente perdi contato com uma pessoa que sempre foi legal comigo, que me fazia bem.


Sabe o que é foda? É saber que muita gente (no universo de meia dúzia que o google vai mandar pra cá por conta de alguma tag bizarra) que vai ler isso vai achar que sou ridícula e que o drama é, sim, por causa de homem. Olha, pode até ser. A rejeição de toda a espécie humana por mim. Aí faz sentido.

Não guardo (tanta) mágoa de um bofe ou outro. Guardo mágoa da somatória de toda a rejeição que já sofri em todas as relações familiares, amorosas e afetivas na vida.

Você tem noção do que é sentir inveja de um mendigo, que não tem um puto, fodido na vida, mas tá ali dormindo debaixo da marquise abraçado com outra fodida? Bem vindo à minha vida.


Hoje minha psicóloga me encaminhou para um psiquiatra, para confirmar o diagnóstico de depressão e me medicar.

Então. Não, não tô bem.

Malz aí o desabafo.

Às vezes sessões de 45 minutos de terapia são insuficientes…

O que aprendi sendo pedestre em São Paulo

Sempre gostei de caminhar. Experimentamos a cidade de uma forma muito diferente quando fazemos trajetos a pé. Reparo nas pessoas, nos estabelecimentos, na energia vibrante de São Paulo. Me sinto mais livre e relaxada.

São quase três anos fazendo a grande parte dos meus caminhos diários a pé. Trabalho, estudo, médicos, lazer.

Nesse período, aprendi bastante sobre a mobilidade em São Paulo. Compreendi, basicamente, que TODO MUNDO MERECE UM BELO PUXÃO DE ORELHAS.

O pedestre é o elo mais fraco da cadeia. Só perde para pedestres com mobilidade reduzida, claro (deficientes, crianças e idosos). Como pedestre, tenho uma visão singular do que acontece no tráfego urbano da minha cidade. Segundo esse ponto de vista, resumi MUITO BREVEMENTE três comportamentos que me enervam:

Ciclistas se acham os superpoderosos. Sou a favor de bicicleta, por mim coloca ciclovia até no meio do meu prédio. Mas os ciclistas precisam compreender que se o farol está aberto para PEDESTRES, ele NÃO É UM PEDESTRE, por tanto, deve aguardar o farol abrir. Cruzo diariamente várias das mais movimentadas ciclovias da cidade, dentre elas a da avenida Faria Lima, e afirmo: a grande maioria dos ciclistas NÃO RESPEITA SINALIZAÇÃO PARA PEDESTRES.
Sabemos que uma cidade como São Paulo necessita de todo esforço possível no sentido de incentivar o uso do transporte coletivo e da bicicleta. Só que quem anda de bicicleta esquece-se de que não é o elo mais fraco da cadeia: respeitar limites de velocidade e sinalização não são dever apenas dos motoristas, mas dos ciclistas também, ok?

2-  Melhorou muito a consciência de motoristas de carros quanto aos pedestres e aos ciclistas, com duas exceções: taxistas e motoristas de carros de luxo. Eles realmente pensam que a rua os pertence. Acham que tudo bem cruzar sinal vermelho. Pensam que a prioridade é sempre deles. Afinal, provavelmente estão indo a uma reunião com o Obama, buscar o Papa no Aeroporto, o tempo deles é muito importante e eles não ligam a mínima para o que se passa fora de seus carros insulfilmados.

3- PEDESTRES SÃO FOLGADOS E INDISCIPLINADOS. Claro, não vou limpar a barra da minha categoria: ninguém em São Paulo merece mais bronca do que o pedestre. Atravessam correndo quando o sinal está verde para carros; andam nas ciclovias e reclamam se ciclistas quase esbarram; caminham digitando no celular atrapalhando todo o fluxo de pedestres da via. Fico particularmente indignada com o comportamento dos pedestres na região da Avenida Paulista. Não respeitam faróis, não respeitam faixa de pedestre, não ligam a mínima para nada! Será que uma força oculta determina que todo o pedestre na Paulista seja um babaca irresponsável?

Mais sobre a vida a pé

Sempre gostei muito de andar. Quando vim morar em Pinheiros, tornei meus próprios pés o meu principal meio de transporte: quando trabalhei em Higienópolis/Centro, diversas vezes voltei para casa andando (7km). Quando trabalhei em Osasco, fazia parte do trajeto (5Km) andando e o resto de ônibus. Quando vim trabalhar no Itaim Bibi, um bairro sem transporte sobre trilhos e com ruas 95% do tempo congestionadas, desencanei totalmente do transporte público e fiz minha opção definitiva: daqui em diante, farei tudo a pé.

Considero “andáveis” trajetos de até 7km e que não exijam cruzar as marginais. É notável a falta de segurança nas passarelas de pedestres que cruzam as marginais Pinheiros e Tietê.

De acordo com esse critério, excluo boa parte da população paulistana: é óbvio que pouquíssimos têm o privilégio de ter opções de moradia, trabalho, educação e lazer a um raio “andável”. É impossível trocar o transporte público ou o automóvel pelos próprios pés. Calçadas em péssimo estado, má sinalização, iluminação pública falha, diversos trechos inóspitos ou até impossíveis de se fazer andando e insegurança são as principais razões pelas quais a maioria de vocês vai continuar evitando grandes trajetos a pé. E com razão.

Acontece que todos são pedestres para pequenos trajetos: seja para ir comprar pão na padaria perto de casa, para passear com o cachorro ou para ir almoçar durante o dia. São nesses momentos que as pessoas precisam se ligar que são pedestres e agir como tal, sem colocar a própria vida em risco. Respeitar farol e prestar atenção no que acontece ao seu redor não vai afetar sua rotina, juro pra você! Desgrudar os olhos do whatsapp por 5 minutos não vai causar uma hecatombe, esteja certo disso.

Aproveitando o tema

Uma coisa que me incentiva ainda mais a fazer meus trajetos a pé é um aplicativo que transforma as atividades ao ar livre em milhas. Ok, você precisa MUITO para acumular meia dúzia de pontos, mas para quem está frequentemente batendo perna pela cidade, acho que vale muito a pena. Chama Mova Mais. Tô a disposição para dúvidas sobre o assunto e para auxiliar no uso do app 🙂

Para passar o tempo

tô devendo post sobre Paris, sobre Bahamas, sobre minha experiência no tinder e sobre minha mais recente rápida, porém dolorida, decepção amorosa. Mas a preguiça é grande.

Daí é sabadão e eu tô a toa. Vi essa lista de perguntas num post do Facebook e deu vontade de responder. Vamos lá:

50 questions

  1: What would you name your future daughter?

Sempre curti o nome Isabella, mas metade dos filhos da minha geração é Isabella. E Lucas. Daí não sei mais.

  2: Do you miss anyone?

Always.

  3: What if I told you that you were pretty?

Não acreditaria. Autoestima baixa né… Sempre tendo a achar que é zoação.

  4: Ever been told “it’s not you, it’s me”?

Yep…

  5: What are you looking forward to in the next week?

Minhas aulas de alemão. Juro: essa é minha motivação hoje em dia.

  6: Did you go out or stay in last night?

Fiquei em casa.

  7: How late did you stay up last night?

Até 1h.

  8: Honestly, has anyone seen you in your underwear in the past 3 months?

Sim. Em fotos e pessoalmente 😏

  9: What were you doing at 12:30 this afternoon?

Correndo na ciclovia da Av. Pedroso de Morais.

10: Have you ever told somebody you loved them and not actually meant it?

Nunca. Meu I love you vale muito.

11: Could you go for the rest of your life without drinking alcohol?

NO FUCKING WAY

12: Have you pretended to like someone?

OBVIO…

13: Could you go the rest of your life without smoking a cigarette?

Já estou há 29 anos sem, então, sim. Claro.

14: Is there one person in your life that can always make you smile?

Tinha minha cachorra, mas ela morreu 😢

15: Is it hard for you to get over someone?

Depende da pessoa. O caso atual, por exemplo, tá foda.

16: Think back five months ago, were you single?

RYSOS.

17: Have you ever cried from being so mad?

Sempre choro quando fico brava.

18: Hold hands with anyone this week?

Não 

19: Did your last kiss take place in/on a bed?

Não

20: Who did you last see in person?

Meus pais

21: What is the last thing you said out lot?

“Sempre sou pontual e me ferro” (tô esperando minha prima pra sair)

22: Have you kissed three or more people in one night?

Opa

23: Have you ever been to Paris?

Yep, twice 

24: Are you good at hiding your feelings?

Sim

25: Do you use chap stick?

WTF

26: Who did you last share a bed with?

O cidadão que quebrou meu coração… 

27: Are you listening to music right now?

Não, embora haja um sertanejo rolando somewhere 

28: What is something you currently want right now?

Sair. Tomar vinho. Distrair.

29: Were your last three kisses from the same person?

Não.

30: How is your heart lately?

Fucking broken 

31: Do you wear the hood on your hoodie?

As vezes

32: When was the last time a member of the opposite sex hugged you?

Last week

33: What do people call you?

Ana, Aninha, prima 

34: Have you ever wanted to tell someone something but didn’t?

Orra… Bilhões de coisas entaladas

35: Are there any stressful situations in your life?

Not really

36: What are you listening to right now?

Meus pais conversando na sala

37: What is wrong with you right now?

Tô gorda 😦

38: Love really is a beautiful thing huh?

Não, amor sempre culmina em merda na minha vida

39: Do you make wishes at 11:11?

Não 

40: What is on your wrists right now?

A pulseira de prata herança de família.

41: Are you single/taken/heartbroken/confused/waiting for the unexpected?

Single and heartbroken

42: Where did you get the shirt/sweatshirt you’re wearing?

Em uma promoçao na véspera de Natal em Berlim, ano passado. Custou 9 euros ^^

43: Have you ever regretted kissing someone?

Sim…

44: Have you hugged someone within the last week?

Sim, familiares 

45: Have you kissed anyone in the last five days?

Nao

46: What were you doing at midnight last night?

Assistindo o episódio 03×13 de Orange is The New Black

47: Do you miss the way things were six months ago?

Not really… 2015 zuado

48: Would you rather sleep with someone else or alone?

Alone. Adoro dividir a cama, mas nunca durmo bem quando há gente ao meu lado (filha única feelings)

49: Have you ever been to New York?

Yep, twice

50: Think of the last person who said I love you, do you think they meant it?

Sim… Foi a Thais, minha cumádi ❤

Screen Shot 06-16-15 at 02.05 PM 004

30 horas em Dubai (2015)

Com tantas expedições vapt-vupt mundo a fora (como 2 dias no México, 1 dia na Turquia e 2 dias na Romênia, 3 dias entre Israel e Jordânia…) , a magnânima Dubai, nos Emirados Árabes, não poderia ficar de fora do meu complexo mapa mundi de viagens – que é vergonhosamente ocidentalizado, dá uma olhada:

Screen Shot 06-16-15 at 02.12 PMComo podem ver, Dubai é o pontinho mais oriental do meu mapa. Nunca cheguei tão perto da Índia e da China. Quem sabe um dia.

Essa foi mais uma viagem louca paitrocinada (patrocinada por papai) – que me acompanhou na jornada em Dubai. Em seguida, fui a Paris visitar meu primo, mas essa é história para outro post. Foco no Oriente Médio!

29/30 de abril

Um dia dedicado a aviões. Sem brincadeira. Fomos pela Ethiopian Airlines (MUITO mais barata), só que incluía escala no Togo (!) e conexão em Adis Abeba (capital da Etiópia). GRAZADEUS SANTÍSSIMO a Ethiopian parou de fazer escala no Togo dois ou três dias antes da nossa viagem, nos poupando horas de vida que seriam gastas em aeroportos e aviões. Ainda assim, foi tenso. O voo tava meio vazio, a poltrona entre papi e eu ficou vazia, então foi mais ok. Além disso, a Ethiopian é a única companhia não-asiática que usa o avião Dreamliner. Manjo nada de aeronaves, mas essa é sensacional! Foi projetada para oferecer mais conforto aos passageiros, de modo que o ar condicionado não resseca tanto o ambiente, é preparado para tremer menos durante as turbulências e as janelas são maiores e sem persianas – durante o dia, o passageiro ativa um controle que escurece a janela. Muito louco!!! Se estiver interessado no assunto leia mais aqui.

Saímos de São Paulo 0h e pouco da madrugada do dia 29 para o dia 30 de abril. Só chegamos a Dubai às 4h da manhã do outro dia (1º de maio). Isso porque:

1- Cruzamos a fucking África inteira, de oeste a leste;

2- A conexão em Adis Abeba (cujo aeroporto é SOFRÍVEL) atrasou mais de 1h e foi uma bagunça, ninguém respeitando nada, nego tudo se empurrando para entrar no embarque;

3- O trecho Adis Abeba-Dubai daria umas 3h em condições normais. Mas o Iêmen tá em guerra, sob ataques aéreos e talz, de modo que todas as rotas que passam pelo país são desviadas. Assim, nosso vôo “ganhou” mais 2h. Delícia. Olha só a rota para não passar pelo Iêmen, que doideira:

Screen Shot 06-16-15 at 02.28 PM

O problema é que tínhamos um tour marcado já para às 7h da manhã. A ideia era ir para o hotel dormir um tico, tomar um banho e sair. Só que não contávamos com a fila de quase 2h na imigração em Dubai. O controle de passaporte estava ABARROTADO de gente, e a fila não andava. Um tormento.

Detalhe: para entrar em Dubai é necessário um visto. Quem vai pela Emirates, a companhia oficial dos Emirados (dãr), paga U$ 50 no visto de entrada única; quem vai por outras companhias, morre com quase U$ 200 (nosso caso). Além disso, você pode pagar um “extra” para ir à fila “fast”. Ou seja: a burocracia no controle de passaporte e as longas filas são financeiramente interessantes.

Isso já dá uma dica do que é Dubai: o triunfo do dinheiro. Quem tem se dá bem. Quem não tem…

1º de maio

Fomos de táxi até o hotel, que era na parte mais periferia de Dubai. Uma região onde moram imigrantes, principalmente indianos e paquistaneses, que são as duas nacionalidades mais comuns entre imigrantes nos Emirados Árabes – embora a riqueza e necessidade de mão de obra barata tenha trazido levas de imigrantes de mais de 60 países!!!

O hotel, mesmo na “perifa”, era bem bacana, com banheira e tudo. Gateway Hotel. Duas pessoas, duas noites, café da manhã, transfer para o aeroporto e tinha até piscina (que nem deu tempo de olhar)… 450 AED (o AED, em relação ao dólar, é tipo o real. Algo em torno de 1=3). Isso é um bom preço, juro!

Foi o tempo de fazer check-in, tomar uma ducha e ir para o saguão esperar o guia do primeiro tour do dia: Bedouin Breakfast at the Desert, comprado pelo site Viator por um valor que desconheço – até porque a excursão não existe mais no site.

Fomos meu pai e eu e um casal inglês. 1h de estrada num carro com ar condicionado a pico até a entrada do Dubai Desert Conservation Reserve, um pedaço do Deserto dos Arábias. Eram 8h e pouco da manhã e eu ainda não tinha sentido o tão famoso calor de Dubai.

No caminho até lá, passamos por hordas de cáfilas (Google acaba de me informar que essa é a palavra para coletivo de camelos).

O guia nos explicou que corrida de camelo é o esporte oficial dos Emirados Árabes. Todo mundo que se preza cria camelos e está sempre comprando mais. A preço de ouro, claro. Alguns valem centenas de milhares de dólares.

Chegamos enfim à entrada do deserto e o guia nos vestiu à caráter:

Screen Shot 06-16-15 at 01.56 PM

Além de ficarmos charmosos, os panos são essenciais para nos proteger do sol forte do deserto e evitar desidratação, queimaduras e coisa e tal.

Screen Shot 06-16-15 at 01.57 PM

A primeira parada foi no acampamento beduíno. Por mais realista que seja, vale dizer: não existem mais nômades nos Emirados Árabes. Todo mundo enricou e mora em belíssimos e luxuosos apartamentos com ar condicionado na zona urbana…

Triunfo do capitalismo sobre as culturas primitivas…

À entrada, havia um homem preparando um dos quitutes que seriam nosso café da manhã. Uma espécie de panqueca de zaatar, aquela erva árabe.

Screen Shot 06-16-15 at 01.57 PM 001

Na foto abaixo, a tal panqueca de zaatar está à direita da cumbuca. No meio, uma espécie de miojo doce (?) e no canto esquerdo, uma panqueca americana, sem qualquer charme.

Screen Shot 06-16-15 at 01.57 PM 002

Havia um beduíno nos recepcionando. Ele respondeu perguntas do público (nós e vááários outros grupos) sobre a cultura dos beduínos e a vida em um dos lugares mais ricos do planeta.

O beduíno era bem para inglês ver e mais parecia personagem de humor tosco. Mas falou umas coisas interessantes, sobre como o governo paga TUDO – habitação, saúde, educação, lazer…; sobre poligamia; sobre não existirem mais beduínos nos EAU, apenas porque a vida na cidade é muito mais prática e cômoda. Não podemos negar, né…

No final, sessão de fotos. Aproveitei e fui também:

Screen Shot 06-16-15 at 01.57 PM 003

Depois dessa sessão “entrevista com o árabe”, mais uma atividade bem turística: passeio de camelo.

Screen Shot 06-16-15 at 01.58 PM

Só uma voltinha pelos arredores do acampamento, para tirar fotos e sentir o drama da altura do bicho. Mas valeu a experiência.

Próximo destino era um passeio pelo deserto num jipe sem cobertura. Eram umas 10h e o sol castigava. Calor forte e sol a pico. A burca foi mais importante do que nunca.

Demos uma volta na reserva vendo aquele areal sem fim e os bichos do lugar. Obviamente a maior parte dos animais (cobras, insetos, roedores) passa o dia em tocas e sai para se alimentar a noite. Durante o dia, o deserto é ocupado pelos Órix. Esses bichos fofos aqui:
Screen Shot 06-16-15 at 01.58 PM 001

Também rolam umas aves de rapina, mas não vi nenhuma 😦

Eram umas 11h quando voltamos ao hotel. Ainda tava rolando café da manhã, e não pensamos duas vezes: nosso almoço seria a rebarba do café da manhã.

Descansamos duas horinhas antes do próximo passeio: Half-day Dubai city tour.

Em um ônibus com ar condicionado no talo, rodamos até Jumeirah Beach, a praia chique de Dubai. Na região estão vários dos hotéis-ostentação de que tanto ouvimos falar: 6 estrelas, com teto de ouro, pedras preciosas e tal.

Screen Shot 06-16-15 at 01.59 PM 001

Bem bonita a praia. Com aqueles 43ºC a sombra (que sombra?), dava uma vontade louca de entrar… Inveja dos banhistas.

Ah, os banhistas: sim, Emirados Árabes são muçulmanos, mas os frequentadores dessas praias são em sua maioria ocidentais cheios da grana. Não rola fio dental, mas também não tem ninguém de burca na praia…

Do outro lado, o destaque da paisagem é para o Burj Al Arab (burj em árabe = prédio):

Screen Shot 07-16-15 at 02.22 PM

A “abinha” no topo direito do prédio é um restaurante… De lá dá pra ver a “The Palm”, a ilha artificial que forma uma palmeira – vocês sabem…

Screen Shot 07-16-15 at 02.32 PM

Imagem do Google Earth. Não tive o prazer de ver esse engenhosidade humana…

Próxima parada:

uma das maiores mesquitas dos Emirados Árabes, a Jumeirah Mosque:

Screen Shot 07-16-15 at 02.35 PM

Só demos uma volta ao redor dela… Estava fechada 😦

Em seguida, fomos ao incrível Museu de Dubai:

Screen Shot 06-16-15 at 01.59 PM 002

O museu fica no Forte Al Fahidi – a estrutura mais antiga da região, construída em 1799. O local abriga uma coleção interessante que mostra a estratosférica mudança de Dubai: de uma vila beduína a um centro global de comércio, finanças e turismo.

Há canhões, barcos de pesca, tendas beduínas e representações da vida de antigamente. Há espaços que mostram a vida tradicional em casa, na mesquita, no deserto e no mar. Há vídeos, fotos e documentos mostrando a transformação da área. Vale a pena!

Próximo destino: Deira Spice Souk. Para isso, atravessamos o canal de Dubai de barquinho ❤

Screen Shot 07-16-15 at 03.17 PM

Screen Shot 06-16-15 at 01.59 PM 003

Louco como o horizonte é todo misturado: vários prédios espelhados chiques e várias construções tipicamente árabes.

O Deira Spice Souk é mais um dos famosos mercados que toda cidade árabe possui.

Temperos, incensos, bugigangas, roupas… Tem de tudo ali, e desperta todos os nossos sentidos: é tudo tão colorido! Tão vivo! O povo gritando tentando vender. Os cheiros das pimentas, dos temperos, das plantas. As cores das lanterninhas. Os sabores das coisas que nos dão para experimentar. Incrível.

Screen Shot 07-16-15 at 02.52 PM

Tem de tudo aí: frutas secas, canela, pimenta e zilhões de coisas que não faço ideia.

Em seguida fomos ao Mercado do Ouro de Dubai, ou Gold Souk.

Bizarro.

Várias ruas dedicadas ao comércio de ouro e pedrarias. E as vitrines das lojas, minha gente? Tipo isso:

Screen Shot 06-16-15 at 02.00 PM

TUDO OURO.

Bem assustador pensar que só essa vitrine compra o meu prédio inteiro.

As estimativas são de 10 toneladas de ouro passando diariamente pelo Dubai Gold Market.

E esse foi nosso destino final no city tour. Deu bem pra ver o básico…

Voltamos para o hotel.

A região em que estávamos só tinha restaurantes indianos e, como não curto curry, convenci papi a procurarmos outro restaurante para jantar. Infelizmente nada árabe, mas nos indicaram um com frutos do mar fresquinhos e bem perto: o Golden Fork.

Foi uma sucessão de más escolhas. Meu prato era grande demais e tudo era empanado. Um erro, mas, fazer o quê…

Screen Shot 06-16-15 at 02.00 PM 001Ao menos era tudo fresco, né? Os camarões, as lulas, o caranguejo inteiro (!), o filé de peixe, as ostras…

Voltamos para o hotel destruídos como poucas vezes na vida. Só lembrando: 30h de aviões+aeroportos e 2 city tours, tudo isso com quase zero intervalo para descanso. Pesado.

Pior meu pai: eram umas 21h e o voo dele de volta ao Brasil (via Adis Abeba) era daqui algumas horas. Ele saiu do hotel 1h da manhã, tendo dormido menos de 3h em 2 dias e pronto para encarar mais 20 e tantas horas de avião… De modo que ele não passou nem 24h em Dubai! É, tem gente que é louca, mesmo…

2 de maio

Papi foi embora, mas eu ainda tinha uma manhã inteira sozinha em Dubai antes do meu voo para Paris (via Adis Abeba), às 17h.

Dormi bem, tomei café da manhã tranquila e, seguindo as instruções da moça do guichê de turismo do hotel, foi ao Burj Khalifa, a maior estrutura já construída pelo ser humano.

Fui a pé até o metrô – forma mais fácil e barata de chegar ao prédio. Mas não foi agradável, pois: eram 7h da manhã e o sol já rachava; eu era A ÚNICA MULHER DESACOMPANHADA E SEM BURCA NA RUA. Mesmo estando vestida ~decentemente~ (calça, camisa cobrindo braços, nada de decote) todo mundo me olhava com estranheza. Os homens locais pior ainda: é um misto de luxúria com um olhar acusatório de “mulher desacompanhada sem burca = puta”. É horrível. Desaconselho fortemente mulher viajar sozinha ao mundo árabe.

Minhas experiências do gênero foram na Jordânia e nos Emirados Árabes – países acostumados com ocidentais e tidos como os mais liberais do mundo muçulmano. Em ambos, me senti mal. Não consigo nem imaginar ir para Irã e picos do gênero. Aliás, esse choque cultural + o fato de ser mulher sozinha é uma das milhões de razões pelas quais meu mapa é tão ocidentalizado. Tô de boa de ir pra China ou pra Índia sozinha…

Enfim:

fui no vagão das mulheres no Metrô – todo mundo respeita e segue a risca.

A estação de metrô cai dentro do shopping, o Dubai Mall – o maior do mundo (claro, em Dubai tudo é maior/melhor/mais caro do mundo). Demorei quase meia hora para achar a entrada do Burj Khalifa, afinal, 8h da manhã ainda tava tudo fechado no shopping…

Como fui bem cedinho, comprei fácil e não peguei fila para subir os 147 andares do prédio – que tem mais do que isso, mas, $$$, né.

No entanto, sempre aconselham comprar com antecedência. Até porque é mais barato. Em todo o caso, eis o link.

O Burj Khalifa tem 828 metros de altura e 160 andares. A aventura já começa no elevador… Dá frio na barriga de tão rápido, e é todo tecnológico, cheio das luzinhas…

Chegando lá em cima, esse é o visu:

Screen Shot 06-16-15 at 02.01 PM 001

Uma cidade enorme e rica construída no meio do deserto. E o mar do Golfo Pérsico.

Screen Shot 06-16-15 at 02.01 PM

#Ostentação

Rola uma área interna e uma área externa. Aguentei poucos minutos na externa: calor do inferno + sol a pico + altura (o que torna ainda mais quente): complicado.

Screen Shot 06-16-15 at 02.02 PM

Na entrada, tem uma exposição de fotos contando a história do prédio, construção, fatos e recordes. Bacaninha.

Paguei um pau para essa foto em particular, de algum ano novo:

Screen Shot 06-16-15 at 02.03 PM

Louco demais! Malz aê a sombra… Foto de foto é uma merda.

Esse é o Burj visto de fora: não cabe na foto! Isso porque tirei praticamente deitada!

Screen Shot 06-16-15 at 02.04 PM 002

Na lojinha (ona, no caso) de presentes, achei essa bolsinha espetacular – não comprei; nunca compro nada.

Screen Shot 06-16-15 at 02.04 PM

Hahahha. Van Gogh se revira no túmulo!

Meu plano era voltar para o hotel 11h, tomar um bom banho, descansar um pouco e ir para o aeroporto. Mas como ainda eram 9h e pouco e eu estava dentro do maior shopping center do mundo, pensei: porque não?

Eu odeio shoppings. ODEIO. Não sou a turista consumista – nunca compro NADA. Mas, gente, que shopping! O lugar tem uma área externa linda, com fontes de água, bares, restaurantes, hotéis… E dentro mais de mil lojas (dentre as quais uma das Havaianas, claro). Dei uma rodada descompromissadamente, sem entrar em nenhuma loja. Claro que todas as grifes estavam lá. Me espantei com essa loja aqui:

Screen Shot 06-16-15 at 02.05 PM 003

Que horror de nome, gente! “NÃO DO BRASIL” (?????)

Mas o que me chocou de verdade nesse shopping não foram as mais de mil lojas ou o tamanho, mas o tipo de coisa que tem lá dentro, tipo:

Arena de Hockey:

Screen Shot 06-16-15 at 02.05 PM 002

Um esqueleto autêntico de um dinossauro na área dedicada às coisas árabes do shopping:

Screen Shot 06-16-15 at 02.05 PM 001

Um aquário com arraias e tubarões:

Screen Shot 06-16-15 at 02.05 PM

QUE DOIDEIRA!

Voltei para o hotel – novamente a péssima sensação de ser mulher em um lugar mega machista.

Tomei banho e fui pro aeroporto. Tinha uma arte do Romero Britto bem na entrada! hahaha

Tava cedo, então dei uma volta pelo freeshop, comprei um sanduíche para almoçar e fiquei esperando meu voo para Adis Abeba (+5h para Adis Abeba, 2h de conexão e +7h até Paris, argh). Grazadeus o primeiro voo estava vazio – tanto que escolhi uma janela da hora para ver uma decolagem incrível:

Screen Shot 07-16-15 at 03.35 PM 001

O Burj Khalifa lindão lá no fundo, ao por do sol ❤

Faltou: ver a The Palm (a ilha-palmeira), entrar no mar, ir a um parque aquático. De qualquer forma, acho que minhas 30h em Dubai foram muitíssimo bem aproveitadas, não? 🙂

A vida não tá fácil

Não tá.

Desde que voltei de viagem, em 9 de janeiro, conto nos dedos de uma mão os momentos realmente felizes do ano (na real, só lembro de dois: Casamento de um amigão; Carnaval/Sambódromo; bar semana passada com os brothers. [não, meu aniversário não consta nessa lista pq, mesmo que muita gente que amo tenha ido, muita gente que amo NÃO foi e nem deu justificativa. fiquei mal).

Tenho impressão que gastei a cota de felicidade do quinquênio na minha viagem…

De resto, um misto de melancolia, desânimo e desgosto marcam meu primeiro trimestre de 2015.

O Trabalho.

O trabalho está uma merda. Graças à economia brasileira toda fodida e à crise da água em São Paulo, a construção civil foi reduzida em um volume assombroso. Como meu trabalho está diretamente ligado ao mercado imobiliário, que é um dos que mais sentem essa crise, tenho passado longos períodos de ócio não-remunerado (só ganho pelo que produzo). Em fevereiro, tive o pior salário até agora nesse trabalho. Até menos do que costumava ganhar quando era estagiária, juro. Tudo indica que abril será parecido. A coisa tá feia. Meus colegas de trabalho estão tensos. A chefe está mais tensa ainda.

O Brasil. 

Me deprime. Me dá vontade de gritar, de chorar. Essa onda de conservadorismo está me dando um desgosto sem precedentes com o fato de ser brasileira e morar no Brasil. Manifestação pedindo impeachment, pedindo golpe militar. Não consigo olhar a bandeira do Brasil ou ouvir o hino sem sentir repulsa.

Gente boicotando novela porque gays se beijam. Gente pedindo a morte de uma presidente eleita pela maioria (não esmagadora, ok, mas ainda assim) da população. Gente que grita “Abaixo Maria do Rosário, Viva Bolsonaro”. Enfim. Vocês lêem jornal, sabem do que eu tô falando.

Nunca tive vontade de sair do Brasil. Até 2015.

Se acho que outros países são melhores? Depende. Há lugares e lugares. O que eu não aguento é gente com boa educação pedindo ditadura e apoiando feminicídio.

O que me impede de vazar? Um trabalho mais ou menos decente. Nem fodendo que saio daqui pra limpar bunda de bebê – até porque não curto criança. Seja finlandesa, ugandense ou canadense. Não gosto. São folgadas, são mimadas, são inconvenientes. Tô fora.

A Vida.

Minha vida social está em coma na UTI. Ninguém tem grana pra nada, ninguém quer fazer nada, quem sai só sai com cônjuge/namorad@, chega fim de semana e todo mundo só quer dormir. Eu inclusive.

Meus pais não param de jogar na minha cara o fato de eu estar sozinha e sem amigos. Sempre pra cima a opinião dos meus pais.

Vida está chatíssima e desmotivadora.

O Amor.

Rysos altos do mais puro sarcasmo. Em resumo: sou uma completa imbecil sem amor próprio e que não canso de me humilhar. Mas não sigo em frente porque a vida está tão chata, tão desmotivadora, que me apegar a três ou quatro frases agradáveis por semana é o que me resta para não sucumbir de desgosto.

Ok, é uma maré que vai passar.

#Oremos para que passe logo.

—-

Mas nem tudo é desgraça. Em exatos 15 dias vou fazer uma viagem bacana com o meu pai. Tô pobre pra caralho e não teria condição de ir nem até a Praia Grande, mas como meu pai está pagando a parte aérea e eu tinha dinheiro vivo sobrando da última viagem… Vou pra Dubai passar meros 2 dias, com meu pai, e daí ele volta pro Brasil. Eu sigo para Paris, onde ficarei com meu primo e a namorada, que moram lá.

***

Se você estiver à toa na região central/oeste de São Paulo, faizfavô de me chamar pra uma cerveja. Sério. Por favor. anamyself@gmail.com

😉