Minha mãe – a pior história de todas

Alô, você que leu esse post aqui. Você já conhece um pouco sobre a minha relação com a minha família. Mas agora vou me aprofundar nisso. Vou falar da minha mãe.

Tá, você ama sua mãe, ela é a pessoa mais importante da sua vida, você deve tudo a ela.
Super te compreendo, camarada. Mas para mim é bem mais difícil falar isso. Claro que devo minha vida a ela, mas dizer que a amo e que eu devo tudo a ela… Não condiz muito com a realidade.

Minha mãe é louca. Não é autista e nem nada, mas ela tem uma personalidade complicada. Um gênio ruim. Pelos relatos da família e dos amigos antigos dela, ela sempre foi uma pessoa dificílima de lidar. Ela era possuída por surtos inexplicáveis, 99% deles agressivos e destruidores.

Ela sempre foi assim. Só que aí, lá pelos meus 12 anos, ela começou a beber. Tipo, MUITO. Ela sempre foi da cerveja, da caipirinha e tal, e sempre dava trabalho/vexâme. Mas não era alcoólatra. Ainda.

Lembro dela cozinhando e tomando uns goles de conhaque. Nada escondido. Ainda, novamente.

Só que as coisas foram se deteriorando.

Só culpa dela? Óbvio que não. Pessoas não se viciam em drogas só porque querem. Sempre tem um motivo escuso. No caso, os motivos eram vários. Da família complicada dela, o trabalho e o chefe fdp que a mandou embora, irmão mega problemático, meu pai com amizades inadequadas e eu teimosa e respondona e desse jeito que eu sou. Talvez eu tenha mais culpa ainda, mas não saberia indicar em quê.

O fato é que foi piorando, e piorando e piorando. Logo foi pra vodka, depois cachaça e nos últimos estágios antes do fim (isso acaba, se não eu nem contaria), pinga de garrafa de plástico. Daquelas que os mendigos tomam.

Eu falei que era uma história complicada.

O fato de ela se consumir em bebida não era o pior. Eu já disse que ela tem gênio ruim. Imagine uma pessoa com gênio ruim, super agressiva e bêbada.

Olha, eu devo estar na lista VIP do Open Bar do Céu, viu.

Bom, minha mãe passou uns 8 anos ou acordada, bêbada e surtando OU dormindo. Isso poderia ser às 2 da manhã, às 3 da tarde, às 8 da noite, nada a impedia. Escândalos pavorosos. Ela falava que eu era um monstro, uma gorda horrorosa, imatura, que só ia passar por desgraça na vida porque era isso que eu merecia. E daí pra baixo. Aparecia com facas, tentava nos dar garrafada…

NOS dar, porque lógico que eu e meu pai nos unimos contra ela. Ou nos uniamos, ou ela ia nos levar a morte. Sem exagero. Essa parte da minha vida não tem nem como exagerar. NINGUÉM além de mim e do meu pai tem uma noção do que foi essa época. E quando nos mudamos para perto da PUC, perto do centro de São Paulo, piorou o que parecia impiorável. 11º andar de um prédio com 1 apartamento por andar. Ela ameaçava se jogar ou jogar a mim, meu pai ou minha cachorra (!) dia sim, dia não. Por cerca de três anos, não desejei a ela nada que não a morte. Na verdade, ela já estava morta para mim há muito mais tempo.

E aí estava todo mundo dormindo, ela acordava a gente com tapas. Dava medo de dormir. Era stress puro.
A família sabia um pouco do que acontecia, mas ninguém entendia e nem tentava se meter. E aí ela ligava pras pessoas e começava a falar delas, tipo o que ela falava pra mim… Super agradável, vocês podem imaginar.

Nessa época, ela não comia mais. Se alimentava exclusivamente de álcool, e comprava umas ruffles de vez em quando. Tava magra, chupada, parecia morta-viva.

Não sei bem como consegui manter minha vida mais ou menos nos eixos, sendo que ela me acordava aos berros, me xingando, às vésperas do vestibular, sabem.
Mas consegui. Entrei na faculdade e sabia que o fato de voltar pra casa a noite, significava que insônia. Quem dormiria tranquilo com constantes ameaças?

Uma vez bati nela. Bati mesmo, de sair sangue e tudo. Ela tinha falado alguma coisa muito além do que costumava falar, não tenho nem idéia do que seja, mas aquilo me enxeu de ódio. Bati a cabeça dela contra o armário várias vezes, se meu pai não me parasse, não sei o que teria acontecido.

Mas foi só aquela vez. E não me orgulho. Mas assumo.

Então, no final de 2005, o irmão problemático dela morreu. 39 anos. Ele era gay, morava em Lisboa com um amigo, era alcoólatra e curtia umas drogas. E tinha uma vida bem intensa. VIVEU, sabem.
Ela sempre se identificou e tomou as dores do irmão quase 10 anos mais novo.

Só sei que a rápida evolução do quadro dele mexeu com ela. Fora que ela tava indo pelo mesmo caminho: já tinha tido uns desmaios pela rua, de fraqueza. Foi aí que ela procurou ajuda. Psicóloga encaminhou pro psiquiatra logo de cara (óbvio). Ela começou a tomar uns remédios tarja preta. E num intervalo de tempo surpreendentemente mínimo – tipo uma semana! – ela era outra pessoa. A alcoólatra maligna morreu, e apareceu uma mãe calma, abalada, abandonada e deprimida, que eu nunca tinha conhecido. Do álcool, passou para o chocolate – foi a recomendação do psiquiatra, trocar um vício pelo outro.

Meu pai ficou maravilhado e passou a dar todo o apoio. Eu não. Difícil perdoar e esquecer a mãe que ela foi pra mim por tanto tempo. Não que eu quisesse uma mãe-amiga como as que comentaram aquele post que eu citei no começo. Nós não somos disso… Mas. Né.

Ano passado, 2008, ela permanecia tomando vários remédios pesados. Aí, num certo domingo, enfartou. Foi pro hospital. Estado: grave. Poucos botavam uma fé. Meu pai ficou destruido, tinha certeza que ela morreria e que sua vida seria uma desgraça sem fim dali em diante.
Eu? Não chorei. Não cheguei nem perto disso. Primeiro porque sabia que ela não ia morrer. Não era lance de esperança,  nem fé: eu sabia, simplesmente. Me sentia estranha, porque faltava alguém em casa. Faltava a dedicação dela. Faltava alguma coisa…

E aí ela se recuperou. Naquelas. Agora ela toma 50 remédios para depressão/ansiedade e afins e outros 50 para coração, pressão, colesterol… E vive na inércia. Nada na vida dela a interessa suficientemente. Ela está fraca, não tem energia pra nada, e nem tenta.

Um dia desses, ela mandou um e-mail para o meu pai e deu para eu ler também. O e-mail falava que ela não via mais graça na vida, e que tudo que restava nela era amor e gratidão para o meu pai, para mim e para a Maggie.
Chorei.

Dói, sabe.

Chorando agora, também.

Pois é, gente. Vida complicada, a minha.

Anúncios

34 comentários sobre “Minha mãe – a pior história de todas

  1. Bel disse:

    Nossa, Ana. Engoli seu post a seco, não passei por problemas exatamente iguais (alcool, agressão e coisas assim), mas também já passei uma puta barra por problemas com a minha mãe. Duas vezes, na primeira eu ainda era bem criança, e a última foi recentemente.

    É um assunto que me dói e me enche os zóio d’água só de lembrar também. Não vou entrar em detalhes aqui, mas enfim, atualmente minha mãe vive esse mesmo estado de inércia que a sua. Bem depressiva, dá pra perceber de longe que ela não tem achado bom viver (o vício auto-destrutivo dela é o cigarro). Só que ao contrário da sua mãe, ela se recusa a fazer qualquer tratamento.

    É muito foda não saber como ajudar.

    E olha, você é MUITO FORTE. Não é fácil passar por essas coisas e ainda conseguir levar a vida não. Como eu disse, embora a minha situação tenha sido diferente, eu não consigo me imaginar passando por nada pior e vivo com MEDO (de ter problemas assim novamente).

    Por essas e por outras que eu fico puta quando vejo gente fazendo drama por pouca-merda. Tem gente que NÃO SABE o que é ter problema, viu. /desabafo.

    Enfim, força!

    • dulce claudia emmerich disse:

      to passando por isso esceto pelo fato de meu pai nunca ser presente e viver em outra cidade e ter outra família,mais realmente é muito complicado e ainda estou grávida e eu acho que minha mãe não tem cura faz 15 anos que ela está bebendo muito e brigando tem dia que não á suporto moramos no mesmo terreno e isso é um verdadeiro inferno e ninguém quer ajudar porque ela é muito agressiva,o pior é que ela tá destruindo a vida dela e a minha…tomara que Deus me ajude e que um dia ela volte ao normal e abandone esse maldito vício

  2. Putz que vida!!! Não tenho palavras…
    não posso te dizer que sei bem o que é isso. Não sei. Minha mãe sempre esteve lá, embora sem abraços, beijos e muita cumplicidade, sempre esteve lá…e ainda está, embora eu não more mais com ela.
    Senti um aperto tão grande lendo teu texto…
    não vou dizer que queria que se acertassem… acho difícil isso acontecer, até por que não depende só de te…
    vou acompanhar os próximos capítulos.

  3. Leticia C. disse:

    O.O

    Nossa, realmente você passou por muitas coisas. No começo do texto eu me identifiquei bastante, só que no caso era o meu tio e não minha mãe, mas do meio para o final você sofreu muuuuuito mais e eu te admiro, pois você superou (ou pelo menos algo perto disso).
    Você é uma guerreira e uma vitoriosa.

  4. Manu disse:

    Muito triste tudo isso, Ana. Nem sei quais as palavras de conforto que eu posso usar. Há certas marcas que o tempo não cura e nem mesmo o perdão faz desaparecerem. Isso vai doer pra sempre em ti. Vai doer pra sempre no teu pai. E vai doer pra sempre nela. Que pena que a gente não pode criar uma nova vida, “dar um reset” e agir como se nada tivesse existido. Me deu muita³ vontade de chorar lendo o que tu escreveu. Vc é mesmo muito forte! Eu não teria estrutura para tudo isso. Enfim, vejo que tem gente que já passou por coisa muito pior do que eu. Se quiser conversar, meu email está aí… (é obrigatório, né?). Qqer coisa, tb existe MSN. Mas eu SEI, SEI MESMO… que “a tua estrela ainda vai brilhar”, porque não é justo tanta coisa ruim acontecer sempre para as mesmas pessoas! Há que haver um “happily ever after”. Beijo e se cuida! (:

  5. ainda nos primeiros parágrafos, achando q te entendia e super me identificava, lembrei dos problemas que tive com minhacidade e viajava toda semana, sempre senti mãe, de como até hj n consigo ser tão próxima dela como vejo nos filmes e na casa de algumas amigas…mas, com um pouco mais do post, vi que, na verdade, são situações bem diferentes. Me desentendo com minha mãe e tal, discutimos umas vezes por aqui. quando era pequena, ela trabalhava em outra falta, quando voltou pra morar com a gente, parou de viajar pra trabalhar, foi pq tava doente, com Câncer. Eu ainda era pequena pra entender bem, mas foi um aperto em casa, meu pai se desdobrou em muitos, eu sentia falta dela nos deveres e tudo mais. ela ficou boa, deu tudo certo e tal, mas até hj somos meio distantes e vivemos entre discussões e alguns momentinhos de afeto. mas, é, é bem diferente do que eu ia dizer, de que entendia e tal, situações bem distantes. Voltando mais especificamente ao post…Acompanhando o blog há um certo tempo, tenho de concordar q c passou por umas coisas bem pesadas, Ana, mas, sei lá, conversando com um amigo sobre (é, dei repercusão =x), acabei comentando q n tenho pena de vc por causa dessas coisas, sei lá..eu acho superlegal o fato de (pelo menos, é oq aparenta) vc se manter no eixo (na medida do possível qq), com valores legais e tal, sabe? Quanto a situação atual, a pessoa tem de viver mesmo, buscando o melhor jeito e lugar possível pra se estar e querendo tirar o máximo de proveito e alegria q der =)
    ps.: sempre conto da minha vida aqui, coisas q muitos dos meus amigos n sabem, q n postaria no blog…fico me perguntando coméqpode isso. e tipo, depois de muito tempo, percebi q n conto pq n quero ngm sentindo pena de mim ou coisa assim. todo mundo já teve situações pesadas e tal, por mais diferentes. e aqui, e em poucos outros lugares, é como se eu pudesse falar normalmente, sem uma cara assustada como resposta (qq eu tô falando?) (pois é, tô me justificando por ter tomado 60% do comentário falando da minha vida).
    Beijo.

  6. Fiquei até tonta, deu tristeza. Minha mãe nunca me compreendeu em muita coisa e isso sempre me deixou triste. meus pais são muito protetores, e até hoje – oi, já tenho 21 anos- não me deixam fazer certas coisas. E o casamento deles está em crise.. fico mal, rezo e talz. Mas nada do que eu acabei de escrever se compara com metade de um 1/3 do que vc já viveu. Me senti pequena, achando que a vida aqui em casa estava complicada.

    Não sei como vc conseguiu/consegue lidar com tudo isso. Você é muito, muito forte, como já falaram aí nos comentários. E doer, e chorar é o mínimo que dá pra acontecer.

    Ser forte não é fácil, eu sei. Às vezes, a gente quer só um colo, quer não ter que carregar carga pesada. Queria te dar um abraço.

    Olha, muito orgulho de você, por tudo que é hoje, por ter seguido sua vida, e por estar fazendo terapia, agora.

    beeijo ;**

  7. Oi, Ana.
    Minha mãe não bebe, mas é louca. Entendo tudo o que você diz porque, tirando esse lance de bebida, a minha mãe é igualzinha à sua.
    O que eu acho mais difícil é explicar pros outros essa relação. Tem gente que torce a cara quando eu falo que prefiro não ter relações com a minha mãe, que vivo muito melhor com ela beeeem longe de mim.
    Admiro você por falar disso tudo numa boa e superar, com uma força que eu tô londe de alcançar.
    Bjo!

  8. Ai Ana, nem sei o que dizer, sou filha de pais alcoolatras no meu caso eram os dois, mas nunca rolou violencia, meu pai bebia e dormia minha mãe bebia e chorava, meu pai faleceu de cancêr de boca combinação de bebida e cigarro, e minha mãe no ultimos exames que fez estava a beira de um ataque do coração.

    E tanta coisa que nem dá pra contar.

    O que posso dizer pra você? Apenas que eu espero que sua mãe reencontre motivos pra viver.

    bjus

  9. Acabei de conhecer seu blog e adorei.
    Claro que não adorei sua relação maternal ser uma merda. Gostei do jeito que escreve. Ótimo pra tão pouca idade. Denota muita maturidade.
    Digo de cadeira (infelizmente): a gente sobrevive a mães psicopatas (não que seja o seu caso… é o meu, rs). Acredito que todo mundo tem um lado bom, mas realmente chega no ponto triste em que não sobra nada. Aí é hora de você ser feliz. Ninguém merece tentativa de homicídio, humilhações…
    Vão te chamar de egoísta? Segue em frente. Você merece escolher.
    Se te encherem o saco manda a merda.
    Eu mandei e a vida tá boa. Às vezes eu sinto falta daquela mãe carinhosa de quando eu era pequeninha, mas ela não existe mais faz tempo… Triste? Muito. Não achei que ia chorar ao comentar, mas os olhos estão vermelhos e ardem. Ainda assim, na maior parte do tempo sou feliz em saber que vou chegar em minha casa e não vai ter ninguém descontrolada inexplicavelmente ou terei que sair “fugida” de casa no meio da noite com as roupas rasgadas porque alguém surtou ou tem certeza de que eu sou prostituta ou lésbica (vê que faz muito sentido…).
    Tenho paz, durmo e sorrio na minha nova casa simples, com 10% do conforto que tinha (e dinheiro também), mas com muita harmonia. Brinco com a falta de grana, mas não sei porque aguentei o inferno até os 31 anos. Voltei a namorar (nem isso tinha mais pra não despertar a ira de Odete Roithman), estou começando meu próprio negócio, não tenho hora pra chegar, nem carro, nem jóias… mas durmo sonos tranquilos.
    Sorte menina!
    Vai dar tudo certo, viu?

  10. Nossa to passada com essa historia!
    Eu me pus no seu lugar e tenho certeza que nao teria muito apego pela minha mae.
    O foda disso tudo é que nos nao somos perfeitos,e nem as pessoas a nossa volta.
    Meu pai foi um alcoolatra fdp que nunca se improtou comigo,so perdoei ele no final da vida, pq vi ele na merda e chorando.
    Essa vida é uma meleca mesmo!

    Sorria flor…ti adoro
    bjaum

  11. Minha linda, que sufoco vc passou.Eu tive uma mãe os cinquenta anos de minha vida, ela simplismente foi a pessoa mais maravilhosa alguém que poderia ter na vida. Tudo que sei agradeço a ela , ela foi e sempre será minha melhor amiga, nunca precisei de amigas, pois ela me preenchia. Sinto o vc sofreu mais uma coisa te garanto, ela me ensinou que nosso maior amigo e que nos confora é DEUS, e aprendí que sem ele não sou nada. Tive problemas no meu casamento pois escolhí a pessoa errada e ela sempre me falou que ele nunca mudaria, e acertou. Minha amada mãe faleceu irá fazer um mês dia 1. e sentirei sua falta eternamente. Dou meus parabéns a vc , pois pessoa forte e corajosa igual a vc não conheço. Geralmente pessoas que passam por isso teria problemas emocionais mais vc é um caso a parte e muito especial. Acredite que Deusb sempre esteve com vc.

  12. Mariah Lucena disse:

    Querida, super te entendo! e é bem difícil as pessoas entenderema gente, né? Olha, minha mãe, tirando a bebida, é muito parecida com a sua. Surtava do nada e vinha pra cima de mim, me ofdendia, me chama de demônio, vivia com a bíblia na mão altamente descontrolada. Não conseguia estudar. ela falava mal de mim para as pessoas, rasgava meus livros, tinha ciúmes do meu pai e de todos que ela via que eu tinha uma boa relação. ela viu que eu naõ cedia as sua sinterferências e me expulsou de casa. uma filha calma, estudiosa e responsável. me casei, mas me casei com um homem não por amor, ams para fugir dela e daquele ambiente doentio. Óbvio que separei depois, e ainda ouço ela dizer que separei porque ele não em aguentou e aí vem todos os xingamentos que a mente humana pode conceber. Uma inimiga, infelizmente.

  13. sara disse:

    eu tenho 12 anos e a minha mae bebe demais tenho medo acho que a culpada sou eu eu tambem sou respondona e teimosa mas eu nao sei como fgazer ela parar

  14. Julio Cesar disse:

    Oi Ana tudo bem?, espero que sua mãe ha melhorado;
    Estou aqui na internet, tentando encontrar problemas semelhantes aos meus para me recompor um pouco.
    Minha mãe é alcoólatra, mas das fortes mesmo. Já chegou a tomar latinhas de cerveja, em poucas horas. Como ela é muito fraca, nem precisava tomar tantas assim, a partir da primeira e segunda lata ela muda completamente suas atitudes e começa a lembrar coisas do passado e jogar no ventilador de forma muito, mas muito agressiva.
    Pra piorar a história ela cuida de minha avó, uma senhora muito inteligente, mas com os anos pesando esta se tornando fraca e indefesa, caducando naturalmente falando.
    A última vez que ela tomou tanto, ensopou a casa de gasolina e quase que botou fogo em tudo, se não chegássemos a tempo.
    Hoje a noite, chegando da casa da minha sogra, meu irmão me liga, falando que minha avó caiu no banheiro e cortou a cabeça, cerca de centímetros + – e pra piorar minha mãe estava pra fora, tomando cerveja e nem viu minha vó caída, onde os sangue no chão já estava coagulado, por altos podemos imaginar que a coitadinha ficou sentada lá no mínimo uns minutos sem conseguir levantar. Meu irmão chegou, juntou minha vó e me ligou, pois tinha um compromisso logo após.
    Eu sempre discuti com minha mãe o fato dela beber demais, e eu e ela somos igual fogo e pólvora. As vezes ela por conta da agressividade, ela me agride e eu tento me defender. Já levei tapas na cara, chutes nas pates íntimas e por ai vai. Nunca bati, mas já segurei ela com veracidade, coisas que não me saem da cabeça, pois faço na hora e depois me arrependo d++++
    Hoje dia 03/03/2013 aconteceu de novo tudo isso, ela se torna tão arrogante que ela sai pra rua gritando, xingando minha vó de tudo o que pode-se imaginar que existe no mundo. Tentamos sempre segurá-la muitas vezes carregando e colocando na cama, ou dando uma banho de água fria.
    Pra finalizar, apesar de tudo, ainda amo minha mãe (na verdade, não sei se amo), tenho uma gagueira bem leve, sou professor e isso nunca me afetou em sala de aula, mas ela sabendo os meus pontos fracos começa a me atingir nisso e em outras coisas.
    Agora com relação a minha vó, amo ela, acho que é a pessoa que mais amo no mundo. Estou dividido em uma faca de dois GUMES… ela já foi internada em psiquiatria, ficando uns 6 meses como uma pessoa nova, mas logo, deu uma recaída. Logo minha vó parte pra outra estância, e o que fazer com minha mãe, as vezes como vc mesmo disse, penso que se ela morrer não irei sentir remorço, por ela sabe que não pode e bebe… Sempre rezo por ela… na verdade não sei mais o que fazer…. Hoje ainda ela bateu em meu irmão e devido a agressividade quase derrubou minha vó de novo, ou iria dar comida muito quente, coisa que intervi e não deixei…. é foda… penso em sumir e esquecer ela pra sempre, mas isso dói muito no coração.

    Até mais.

    • Carolina disse:

      Passei por coisas semelhantes e algumas incomparáveis. Gostaria de conversar com alguém que tivesse pelo menos próximo dos meus problemas para que eu pudesse ser compreendida. Me mande um email.
      Carool-a@hotmail.com

  15. NIl disse:

    Olha , tenho algo a te dizer … por mais dificil que seja a sua situação e mesmo que você não consiga entender o por que esta passando por tudo isso ….. confia em Deus e tenha fé nele e seus dias serão melhores.

    As vezes passamos coisas e situações onde temos vontade de mtas coisas , de matar , de morrer , de ferir ….
    Mas na verdade isso de nada adianta.
    Peço a Deus que ele te de a paz , que seu coração possa se tranquilizar ….. ja ´passei e passo por mtas coisas na minha que não adianta escrever aqui ….. mas posso te dizer que meu coração ja ardeu assim como o seu …. cada um em sua dimensão que para cada um de nos parece mais pesado do que para outro ….. Mas te digo uma coisa nunca deixe de amar , e de confiar em Deus e nas pessoas…… O perdão é um dos melhores sentimento….. + sei que para perdoar …. é preciso se perdoar ….. e isso não é tão facil.

    O nosso emocional abalado , as nossas magoas e imagens de tudo aquilo que nos vivemos deixa-nos amargos ….. Mas esse sentimentos não podem invadir os nossos corações ……
    Que Deus te abençoe muito e que ele possa estar contigo em tudo ….. e que em primeiro lugar que ele possa acalmar o seu coração e te dar muita paz ….

    Oro a Deus pela sua e pela minha vida ….. e torço a para sua felicidade ….. sei que pra tudo existe um proposito ….

    Continue amando …. só isso que te falo e confiando no amor ….. assim será mto feliz …. apesar da triste que marcou na sua vida…..

  16. Vish, eu pensava que eu era a única criatura que tinha passado por isso. parece que qm escreveu isso fui de tao parecidas as nossas histórias. Véi, é uma bosta. Mas vc foi bem mais forte q eu. Ao menos tinha uma pai. Eu nao tinha ninguem. Nao to me fazendo de coitada, mas odeio essa vida. Minha mãe tomou um monte de remédio tbm, ficava mto louca com eles, tbm se viciou no chocolate e depois de mto tempo longe do alcool, ela voltou a beber. Só q agora ela ta com uma doença séria no fígado. Eu odeio essa vida. Pq eu nao tive uma vida normal. Adorei seu blog. Vc nasceu pra coisa

  17. renata disse:

    sabe, apesar de ruim é bom ler historias assim, pois a minha historia se não fosse eu a passar, acharia que era mentira ou exagero, MINHA MAE e ALCOOLATRA, me casei saí de casa, achei que estaria lirvre e la
    nos pertuba até hoje, não entendo o que a mantêm viva, ela parece nos odiar, a mim e meus 2 irmãos, já apanhamos tanto, tanto, e juro sem motivos. queria trocar experiencia, se puder me passe um email, sua historia´tá antiga aqui, quem sabe nao conversamos um pouco. hoje minha mae tá internada, quebrou o pé num nestes porres.

    • Oi Renata, temos história parecida, se vc quiser basta entrar em contato comigo, ando muito triste, porque todas as vezes em que penso que me livrei de minha mãe, lá vem a sombra feito um urubu para me assombrar. Minha mãe foi e é uma desgraça em minha vida.
      (cristianebispo@ymail.com) entre em contato.

  18. Aline disse:

    Boa noite. Eu te entendo perfeitamente. Acontece na minha vida e dos meus irmãos. Sofremos muito. Ela é viúva, nosso pai morreu. Ela bebê fica agressiva, ataca a gente, nos leva pra baixo, esbofeteia a gente de vez em quando. Bebe 3 a 4 vezes por semana. Bebe as 8 da manhã, de tarde madrugada., enfim. As vezes penso em me matar de tanta tristeza. Se ela saiu para cortar um cabelo, putz…já era, ou está desmaiada na mesa com bêbados ou xingando e arrumando briga com qualquer pessoa. Tentamos interna lá uma vez, mas sem sucesso. Não sabemos mais o que fazer. As vezes penso em deixa lá na rua, sem perseguir, mas sempre vou atrás, no rastro. Não preocupo em receber carinho mais, queria um pouco de descanso, paz, sem brigas e violência em casa e mais tratos. Queria uma solução. Acho que estou precisando de ajuda mais que ela. Ela diz 15000 vezes que me odeia e que meus irmãos são de merda sempre. Tenho vergonho dos meus amigos, vizinhos, parentes. Minha vida não é boa e nunca foi, alcoolismo dela dura 22 anos

  19. Aline disse:

    Eu te entendo :’) , minha mãe bebe todo dia o dia todo, e chega da rua falando auto no quintal sozinha pros vizinhos escutar… pior que eu tenho um amigo do facebook que tá morando do lado da minha casa e ela ama me passar vergonha, ela é uma boa mãe sempre foi, o único problema e que ela bebe e me passa vergonha grita no quintal, já to me desgostando , vou mora com meu pai pra ver se ela muda. É muito triste ter uma mãe alcoólica 😦

  20. Miriam disse:

    cheguei aqui pq estava (estou)commta raiva da minha mae. Mas a minha historia n tem mto em comum com a sua, apenas que desejo que minha mae va embora. Um dos meus objetivos ds vida é passar numa facul longe daqui pra mim sair de casa. Minha mae senpre fica falando em ir embora, nos largar (eu e meus irmaos pequenos), ela fala sozinha, vive brigando com meu pai ( n q só ela esteja errada,mas td vira motivo de briga, assuntos que n tem nada a ver)
    ebfim,bem diferebte do que acontecwu contigo, n teve alcool e nem.violencia, gracas a deus. se eu so com isso estou desse jeito, se tivesse passsado o que vc passou nem sei o q seria de mim. Espero q vc encontre novos amores na sua vida pra preencher esse. Vc é mto forte!

  21. Sabe de nada… Inocente! A minha genitora ia pelo mesmíssimo caminho. Só que pior, maconha, cocaína, lsd, chá de cogumelo, chá de trombeta, não me perguntem o que seja, conhaque, cachaça, depois do meu pai se separar dela, foi pior, teve mais três filhos, deixo-os em minhas costas, sendo eu á mais velha, cada um de pai, quando eu era criança sofria espancamentos, maus-tratos, era deixada trancada dentro de um barraco, sem água, comida, luz., e ainda tinha os xingamentos. Peste, desgraçada, morre infeliz, não sei porque não morre logo esse troço, se você viver nunca será feliz, terá uma desgraçada, você vai chorar muitas lágrimas de sangue! — e isso tudo quando eu era somente uma criança. A adolescência não foi melhor. Os xingamentos aumentaram, tive que trabalhar para me sustentar, á mim, á ela e aos filhos dela, deixei os estudos muito cedo, fui mãe muito cedo também. por causa dela quase fomos assassinados, todos nós, quando eu tinha vinte e poucos anos, ela me pediu um dinheiro pois queria ir embora, eu fiz uma divida, dei o dinheiro com todo prazer do mundo, só que ao ir embora, ela deixou um filho para trás sem certidão de nascimento, hoje, tenho 43 anos, este filho de minha genitora 28, esteve preso, drogas, sem documentos não consegue se erguer, sei aonde ela está, mas não há nada que me anime á ir vê-la, meu irmão necessita dela, por causa da certidão, não quero vê-la, mas meu irmão precisa de um documento dela para fazer os dele, não sei o que fazer….Somente em pensar nela já fico extremamente infeliz, eu á ódio por todo o mal que ela nos causou!

  22. E, para vocês começarem a ter uma ideia do que foi minha vida ao lado de minha genitora, recomendo, um livro. Abandono, por Cristiane Bispo. Ar editora.com. Vem gente, vamos trocar ideias, desabafar… Abraços!

  23. Caroa leitores, a minha história te m tudo de todas as histórias de voces. Meu pai faleceu quando eu era um bebe, e minha mae me criou sozinha ate os 3anos, quando ela colocou um homem em casa e batia nela, ela batia nele, ela me batia muito, os dois bebiam muito dia apos dia, e eu dormia sozinha. Ela era muito agressiva, e me chamava de pateta, burra, besta, e me batia todo dia, ela me pedi um favor, por exemplo lembro uma vez que me pediu pra pegar um batom dela na bolsa dela, ai eu nao sabia onde tava, me chamou de burra, e ela me jogava cadeira, me puxava pelos cabelos m arrastava pelo chao, devia ter uns 6 anos. Ai na terceira e quarta serie nao fui bem nas avaliaçoes. E ate meus 14 anos ela me batia pela rua sem vergonha de ngm, me batia e gritava cmg todos os dias, me causou serios problemas no futuro de saude mental, psicologica. Quando eu estava com 11anos, por ai , quando comecou a crescer meus seios, ela o arranhou mt forte e tenho essa linda cicatriz de amor nao foi, acredito propositalmente ate hoje. Tive e tenho problemas de auto estima. Eu recebia pensao do meu pai falecido. Ela gostou tudo. To com 19 anos, sou anti social e. Nao twnho poupança guardada pta faculdade. Minha pensao ta bem baixa por que a primeira esposa do meu pai entrou com advogado pra receber pensao minha. Nao tenho irmao, namorado, nem consigo ter. Rla virou evangelica os meus 8
    9 anos mas nao mudou nada, continuava com o homem dela gigolo. So parou de beber, primeiro por causa da saude dela por que ela ficou mto magra tbm. Por conta do alcoolismo. Mas ela sempre foi grossa. Toda a familia sabe. E parece q ela deseja mto o mal das pessoas tbm

  24. Jéssica Silva disse:

    Eu me identifiquei na maioria das partes, estou passando por uma fase horrível em minha vida com a minha mãe, não sei o que fazer, nem o que tentar fazer, depois de ter tentado quase de tudo que estava em meu alcance.
    Falar, conversar, dar concelho, de nada adianta, muito pelo contrario, só piora as coisas.
    Estou sem rumo, e sem vontade de mais nada, não sei o que fazer, nem o que pensar.

  25. pati disse:

    Sabe que lendo o que vc escreveu me senti melhor por saber que não so à única à passar por isso…mas estou sem chão…história super parecida…que Deus nos de cada dia mais forças. ..

  26. Beth disse:

    Minha mãe é alcoolatra e da um trabalhão
    tenho dois irmãos que moram com ela passa pouca e boas
    todos os dias ela chega carregada e detalhe são os caras do bar que da bebidas pra ela de tanto que ela enche o saco dos caras do bar eles acabam dando bebidas fortes pra ela ir embora logo nisso ate o caminho de casa alguem conhecido passa e leva ela pra casa arrastada e ela chorando falando mal e mentiras dos filhos e chega aos berros xingando falando varios palavrões e amaldiçoando os filhos
    ela bebe desde quando me conheco por gente mas bebia moderadamente, quando tinha os meus 7 anos ela cuidava limpava a casa lavava as roupas fazia comida
    de uns anos pra ca a situação esta cada vez pior
    Ela ja não cuida mais do proprio corpo dela não tem mais higiene com nada nem com ela e nem com a casa dela e nem gosta que meus irmãos coloca a mão em nada de casa pq alem de alcoolatra é acumuladora de lixo tudo leva pra dentro de casa e tudo que a vizinhança quer tirar de dentro da casa delas que não presta da pra ela levar pra casa e detalhe ela não usa nada que leva pra dentro de casa mas tambem não doa pra ninguem e vai acomulando eu que tiro toneladas de roupas e objetos dentro do quarto dela a falta de higiene é tanta por conta do alcool que ja corroeu o cerebro mode de falar que tinha ate ninho de baratas no meio das roupas era tirando e eu gritando de nojo e toda vez que eu limpava eu tinha que levar ela no cabelereiro e deixar ela la fazendo cabelo unha e sombrancelha e falava pra meninas fazer bem devagar pra eu tirar os entulhos do quarto dela pra dar tempo e quando ouvia o baralho do caminhão do lixo passando tinha que pagar pra eles levarem pq era tanto sacos de lixo que eles não levariam toda vez tinha que da um cache pra eles levarem todos os sacos no mesmo dia senão quando ela chegasse ela pegava tudo de volta e a briga com a gente era feia
    fora que ela é aponsentada e não pode ficar com dinheiro por conta da bebida ela gasta tudo em bebida e tem uma overdose então eu vou ao banco com ela e logo em seguida eu vou ao mercado com ela e faço a compra e pago o aluguel dela senão ela pega o dinheiro não paga o aluguel e nem faz a compra e gasta tudo com bebidas
    Quando eramos crianças ela nos espancava por conta da bebida e eu não entendia o pq ela fazia aquilo conosco eu cresci com muito odio da minha e foi anos pra perdoar tudo que ela fazia comigo e com meus irmãos eu com 7 anos ela me deu uma responsabilidade de gente grande eu cuidava dos meus irmãos que tinham 4 anos 6 anos e o meu irmão bebe de 1 mes eu cuidava deles dava banho alimentavam e cuidava da casa e ja fazia comida sozinha ela me ensinava e assim foi ate os 12 anos assim se ela chegasse e a casa estivesse com migalhas de pão espalhada era motivo de bater com cinta ou o que ela tinha por perto, um belo dia ela com a ira dela por conta da bebida foi me bater novamente por que eu não lavei a louca eu enrolei a cinta na mão ela viu que eu tinha mais força que ela nunca mais me bateu.
    eu tinha odio da minha mãe sempre quando alguem perguntava sobre ela eu chorava e tinha um sentimento horrivel de abandono de tristeza varios sentimentos misturados.
    Procurei uma igreja pra ir e comecei a frequentar e Deus foi falando comigo pra perdoar pra se livrar do sentimento de raiva de odio que aquilo me fazia mal aos poucos fui entendeu que aquele sentimento que tinha da minha mãe me fazia mal por onde eu andava eu não via graça em nada não sorria mais tenho fotos que são nitida que não era uma menina feliz mas Deus foi me transformando que aos poucos as pessoas foi vendo a mudança em mim que eu nem percebia as pessoas que viam essa mudança
    Foi maravilhoso essa mudança que Deus fez em minha vida era pra eu ser uma adolescente depressiva, drogada, alcoolatra e ate mesmo se prostituindo por ai eu e os meus irmãos tinha tudo pra ser, mas Deus não deixou fomos fortes e conseguimos passar por tudo isso sem precisar fazer nada disso
    Deus nos escolheu pra passar por tudo isso e ainda perdoar a minha mãe e olhar pra ela e sentir amor por mais que ela não consiga retribuir eu sei que ela nos ama
    Agora o que eu mais quero é ve la bem
    Que ela queira ajuda pra se internar e se cuidar
    Quando vejo ela caida eu logo acolho ela dou banho troco ela passo creme no corpo dela passo perfume e deixo ela deitadinha e limpa
    Porque meus irmãos são homens eles não consegue fazer eu sou casada e meus irmãos que moram com ela são solteiros são eles que aguentam ela o tempo todo um dia sã outro bebeda eles sofrem com isso não é nada facil ver nossa mãe nesse estado com a idade que ela ja tem 59 anos
    Mas tudo depende dela querer ajuda
    como não temos dinheiro pra interna la
    tem um casal da igreja que esta nos ajudando a interna la numa clinica sem custo mas ela tem que querer
    Estamos orando e confiando no Senhor que ela vai aceitar e vai ser uma nova mulher em Cristo Jesus eu creio nos planos do Senhor pra vida da nossa Mãe

  27. Pathy disse:

    Isso Beth procurar à Deus sempre é a melhor solução…mas as vezes mesmo assim me pergunto até quandooooo tudo isso…

  28. Acho que estou vivendo isso, poxa num sei mais acho qi minha mãe ainda não é exatamente alcoólatra, mais ultimamente ela anda bebendo muito e é todo o tipo de pinga, e sempre qi ela bebe e fica bêbada ela ver coisas, ela não consegue me reconhecer, e eu tenho muito medo dela, mais aki em casa é só eu e ela e Deus
    Então eu não tenho como mudar isso
    Ela é td oqe eu tenho, e to perdendo ela
    Pela bebidas, não qeria qi fosse assim
    Mais td difícil de mais, agora mesmo ela ta lá trancanda dentro do quarto bêbada cvsd com espelho eu acho’ e eu aki no meu quarto sozinha morrendo de medo, ta tão difícil eu não sei mais oqe fazer acho qi ao Deus pra ajuda mesmo, quando ela ta sóbria eu Cvs com ela mais ela fica é brava parece qi eu to mentindo sobre as coisa qi ela faz, e ela não reconhece qi bebe de mais , outra coisa qi me deixa bem xatiada e o fato dela gastar dinheiro com bebidas, pq eu sou adolescente gst de comprar coisas gosto de sair com amigas apesar de eu não está tendo nenhuma, e então sempre qi pesso dindin pra ela, ela nunca tem, mais aí quando chega a noite ou final de semana ela tem dinheiro pra bebidas.

  29. Mari disse:

    Não posso dizer q te intendo, mas intendo a parte em ter uma relação dificil com a sua mãe. Minha mae n bebe mas ela eh louca ela me humilha e fala monte de coisas p mim ofensas horriveis e as vezes me ignora como se eu fosse um nada, eu nunca tive uma relaçao de amiga c minha mae e acho q nunca vou ter pq quando conto as coisas p ela (e quando eu conto) ela conta pros meus irmaos numa briga ela me xinga e fala gritando tudo q eu falei p ela( achando q ela nao contaria p ngm).. bom sei q n tem compração com sua histporia mas n eh nd facil conviver assim. Bom n sei como esta hj mas a relação de vcs tenha melhorado mt e espero q um dia a minha melhore tbm, bjsss

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s