Europa 2014/2015 (parte 1: Berlim)

Todo o mundo real e virtual está careca de saber que passei maravilhosos, fantásticos, esplêndidos 19 dias na Europa agora entre o final de dezembro e começo de janeiro.

Posso resumir a viagem inteira em palavra: perfeição. A viagem foi tão perfeita e mágica que achei que meu avião da volta iria cair. ALGUMA COISA tinha que dar errado. (Não deu).

Melhor viagem que fiz na vida, e olha que só planejei as cidades-base e fui decidindo o que fazer assim que acordava.

Vou dividir a viagem em 5 posts: os 4 destinos “cidades-base” (Berlim, Praga, Munique e Zurique) e um post dedicado, let’s say, à alta socialização durante a viagem (esse último post será com senha. Interessados, entrem em contato).

Hoje começamos com Berlim.

Saí de casa – São Paulo, Brasil – com uma temperatura de 32°C. Mal podia esperar pelo inverno europeu de neve e temperaturas negativas. Minha mala, no entanto, foi enxuta: meros 13kg para 20 dias. Algumas leggings e blusas para usar como segunda pele; 4 blusas mais grossas para segunda camada, duas calças jeans, uma bota de neve, underwears e meias, cachecol, luvas e uma blusa de frio intenso, impermeável, comprada por meros R$ 150 na Decathlon. A bota e as blusas segunda-camada também comprei lá. Só queria dizer que eu não teria sobrevivido à sensação térmica de -15°C em Praga se não fosse esse excelente casaco e as botas de neve.

Aliás, me perdoem, mas preciso dar umas dicas sobre inverno na Europa.

Se você vai para a Europa, não seja imbecil como as brasileiras que conheci por lá, que iam andar pela cidade com a mesma bota que usam no inverno paulistano. E nem com o mesmo casaco que você usa em Campos do Jordão.

Antes de viajar eu tinha ido à outra loja de esportes procurar o casaco. Na Mundo Terra, a que eu queria custava APENAS R$ 1999, quase o que paguei de passagem aérea. Risos. Não comprei, obviamente. A vendedora queria me entuchar meias especiais, casaco corta-vento, primeira, segunda, terceira, quinta camada…

Também não é pra tanto, galera. Eu tava indo pra Berlim, não pra Antártida. -5°C não são -40°, né. HÁ LIMITES.

Foi meu segundo inverno na Europa e em nenhuma dessas vezes peguei hipotermia. Nem resfriado. Nem nada. Sinal de que deu certo, né?

Enfim. Mala leve, porque desfile de moda não é comigo, nunca foi. Despachei a mala no aeroporto e fui encontrar Chris (o amigo suíço), que tinha voo para Zurique quase no mesmo horário que eu, e a namorada, que estava lá para se despedir. Combinamos de nos encontrar em Zurique dia 3/1. Tomamos uma cerveja juntos e zarpei para o meu périplo São Paulo – Paris – Berlim (a volta seria Zurique – Paris – São Paulo. Tudo Air France. Paguei R$ 2800 pelas passagens, já com todas as taxas inclusas).

O voo até Paris foi demoníaco. Uma turbulência safada desde a saída de São Paulo até chegar à Europa. 10h tremendo tremendo tremendo. Nada surreal, não achei que ia morrer, mas foi muito incômodo. Tanto que passei os próximos 3 dias em Berlim com uma vertigem fortíssima, que só posso atribuir à turbulência.

Papi fez meu check-in online e fez uma trapalhada: um upgrade no voo Berlim – Paris. Acabei indo de executiva nesse trecho de menos de 2h. hehe. Mas consegui fazer valer um pouquinho, pois usei a sala VIP da Air France no Charles de Gaulle, tomei chocolate quente, usei a tomada, usei wifi. No voo, um café da manhã bacaninha:

Screen Shot 01-16-15 at 02.22 PM

Além disso fui a primeira a desembarcar e a primeira a pegar a mala. A parte ruim é que essa burrice custou a papi R$ 300.

BERLIM, Alemanha. 22 a 27 de dezembro.

Cheguei a Berlim com um tempo desolador: super cinzento, chovendo. 3 ou 4°C, não lembro.

Segui as instruções do site do hostel para ir de transporte público do aeroporto até lá, e fui super tranquilo.

Cheguei ao hostel umas 13h30, antes do horário de check-in. Mas eles me deixaram já ir pro quarto.

Fiquei no The Circus Hostel, no Mitte (Mitte significa meio. O bairro Mitte é assim chamado porque fica no meio da cidade de Berlim, dãããr). Peguei um quarto privativo com banheiro compartilhado que me custou € 284,10 por 5 noites. O quarto era super espaçoso, se pensarmos no padrão-hostel. Hostel limpinho, staff sempre atencioso, uma puta localização – fiz praticamente tudo andando -, um ótimo e muito barato bar downstairs, hóspedes bacanas e amigáveis… Estou segura em afirmar: melhor hostel que já fiquei. (Dica do primo Gustavo. Valeu!!!!)

A vista do meu quarto:

Screen Shot 01-16-15 at 02.22 PM 001

O bondinho amarelo – tram – é hiper silencioso.

Larguei as coisas no quarto e fui passear pela cidade (eram 15h e pouco e já começava a anoitecer).

Fui andando às vezes olhando o mapa, às vezes ignorando-o. Berlim é uma cidade bem fácil de andar. Em alguns dias em já fazia todos os caminhos sem consultar sequer uma vez o mapa.

Mas no primeiro dia tudo era novo. Andei por umas ruas com lojas estranhas. Dezenas de lojas dedicadas a fetiches sexuais, como roupas bem antigas, ou só de couro… Também uma loja de sapatos chamada “Atheist”, cuja vitrine ostentava a frase: “For those who live on their feet, not on their knees”. Achei totalmente maravilhoso e instantaneamente me apaixonei pela cidade.

Também me deparei com várias vielas que a princípio pareciam degradadas e abandonadas (temos várias dessas no Brasil, vcs sabem), mas que eram uma verdadeira cidade dentro. Restaurantes, cinemas, lojas alternativas. Sensacional. E tudo cheio de grafite, é claro. Arte urbana em Berlim é um caso a parte.

Segui meu trajeto até chegar à beira do rio Spree. Ali, vi a Museumsinsel, a ilha dos museus, onde estão os principais museus da cidade. Tirei selfie com o belíssimo Berliner Dom atrás de mim.

2014-12-22 15.14.14

A frente do Altesmuseum (Alt = old. Velho.) e os jardins do Lustgarten.

Screen Shot 01-16-15 at 02.22 PM 002

Um problema das datas que escolhi para visitar Berlim é que a grande maioria dos museus fecha no período entre natal e ano novo. A Alemanha leva MUITO a sério feriados, quase nada abre… Se eu soubesse disso, teria aproveitado esse primeiro dia para visitar um dos museus da Ilha. Não fui, e nos próximos dias só os encontraria fechados. Ok, no harm done. Já tenho motivo para voltar. Hehe.

Acabei indo a outro museu, indicado por uma amiga, e também para fugir do frio e da chuva. O DDR. Trata-se de um museu 100% interativo dedicado à Berlim Oriental. O mote é “experimente como era a vida na Alemanha socialista”. Tem tudo lá: carros, uniformes de escola, livros, roupas, instrumentos de trabalho, entretenimento e tudo imaginável sobre a Alemanha oriental. É bem bacana.  E não achei tão parcial quanto tinha imaginado. Você entende bem os prós e contras do regime no qual os caras estavam inseridos.
Só que o museu estava entupido. A parte “interação” ficou bastante prejudicada.

Fui embora totalmente destruída e faminta. Na frente do hostel comprei uma garrafinha de vinho, para garantir um sono de pedra, uma garrafa de água (a única que comprei em 20 dias de Europa – a água da torneira deles é potável), e um sanduíche bizarro, que foi meu almoço and jantar. Comi no quarto e apaguei em poucos minutos, antes das 20h. Amo muito o fuso deles: para mim já eram 23h…

23 de dezembro, walking tour e chuva

Tomei café-da-manhã no hostel. Esquema all-you-can-eat por €5. Meio carinho, mas eu tava com fome, mal tinha comido no dia anterior, então valeu a pena.

Segui a sugestão da moça da recepção: primeira vez em Berlim, um walking tour é uma boa pedida. Walking tours são super comuns nas grandes cidades turísticas do mundo. Até São Paulo e Rio têm. Optei pela modalidade “tour completo, 6h, €15”. Perguntei se mesmo com aquele tempo tenebroso – bastante chuva – rolava. Me disseram que sim. Encarei a chuva e fui até o ponto de encontro. No caminho, não uma, mas DUAS pessoas me pediram direções. Em alemão. Como assim tenho cara de alemã, gente? hahaha

Enfim. No ponto de encontro, a guia nos encontrou e nos levou até outro ponto, para termos um grupo maior. Também trocamos de guia. Agora era um homem, irlandês, LINDO DE MORRER (mas acho que gay). Irlandês explicando sobre Berlim? Como assim? Muitos walking tours depois, aprendi que as empresas dos tours contratam gente que fale inglês bem, com boa oratória e com um quê de humor. Quanto aos conhecimentos do lugar, é de menos. Ok, isso é meio triste, concordo. A chance de ouvir informação errada é grande. Mas de qualquer forma vale a pena.

Começamos o tour na frente da maior Sinagoga da Europa, a “Nova Sinagoga”. No interior, há uma réplica do muro das lamentações com pedras trazidas de Israel. Não, não entramos.

Screen Shot 01-16-15 at 03.47 PM

De lá fomos seguindo pelas ruas da região, parando vez ou outra para ver uma escola de judeus quando, certa vez, militares entraram, pegar as crianças e mandar para campos de concentração, assim, sem mais nem menos; símbolos no chão dizendo “aqui morou a família XXX, morta pelos nazistas em 19XX” e coisas assim. Ou: esse prédio foi bombardeado pelos ingleses na 2ª Guerra Mundial; esse quarteirão foi destruído pelos americanos na 2ª Guerra…

É tão surreal. Mesmo com todas as marcas da história, é tão difícil conceber que algo tão sinistro tenha mesmo acontecido nessa cidade…

Berlim é impressionante. Em menos de 100 anos, a cidade viu a ascensão e a queda do nazismo e a ascensão e a queda do socialismo. Arrepiante.

Falando em socialismo, as marcas do Muro de Berlim estão por toda a parte. Em alguns lugares, resquícios do muro.

Em outros, placas no chão para marcar onde ficava o muro que separava Alemanha socialista e Alemanha capitalista.

Screen Shot 01-16-15 at 03.47 PM 001

Screen Shot 01-16-15 at 03.49 PM 002

Pedaço do muro, próximo ao Checkpoint Charlie, um dos principais pontos de entrada e saída das duas Alemanhas. Nesse trecho, uma cerca (!) protege o que sobrou do muro de predadores, AKA turistas que querem um pedaço da História para si.

Próxima parada: Parlamento Alemão

Screen Shot 01-16-15 at 03.48 PM

Dizem que tem uma vista bem legal desse domo de vidro, no centro do prédio…

O Parlamento guarda histórias tanto da época do nazismo quanto do socialismo: um memorial aos parlamentares de oposição mortos a mando de Hitler fica bem do lado do prédio. Em cada placa de aço tem um nome, um partido político, uma data (da morte) e o local de morte. A maioria é campo de concentração, como Dachau e Auschwitz.

Screen Shot 01-16-15 at 03.48 PM 001

O Parlamento também foi um ponto crucial da tomada da Alemanha Oriental pelos soviéticos. De lá essa foto clássica foi tirada, logo após o fim da segunda guerra:

Next stop: Brandenburger Tor, o principal cartão postal de Berlim. A antiga porta de entrada da cidade.

Screen Shot 01-16-15 at 03.48 PM 002

Em seguida, como não poderia deixar de ser, mais história:

Screen Shot 01-16-15 at 03.49 PMUm bizarro Memorial aos Judeus Mortos na Europa simula, em mais de 2 mil blocos de concreto alinhados, os mais de 6 milhões de judeus mortos no Holocausto. Pesadíssimo. Arrepiante. Necessário.

Enquanto isso, turistas babacas tiravam selfies sorrindo. Como pode tamanha imbecilidade e falta de respeito? Tsc, tsc, tsc.
Screen Shot 01-16-15 at 03.49 PM 001

Esse estacionamento nada mais é do que o local onde ficava o Bunker do Hitler. Onde ele foi (?) encontrado morto. Até hoje há teorias de que o cadáver não era dele, e que ele viveu seus últimos anos de vida sossegado na América do Sul, como de fato ocorreu com outros grandes nomes do regime nazista.

Enfim.

O Bunker era enorme e o que ainda resta dele está abaixo do solo. O governo alemão não quer tornar o lugar um ponto turístico. As razões são compreensíveis, né? Por isso, o lugar hoje é um mero estacionamento.

De lá seguimos até o Checkpoint Charlie, já citado anteriormente.

Na região, achei interessante uma agência de turismo que aluga os antigos carros fabricados pela Alemanha Oriental, os “Trabi”, para um passeio pela cidade. Não, não fiz o passeio. Acho que é um pouco demais, não?
Screen Shot 01-16-15 at 03.50 PM

Ainda passamos pela bela praça Gendarmenmarkt, onde é realizada uma das mais tradicionais Feiras de Natal da Alemanha (fui lá no último dia), e pela frente da Universidade Humboldt e a Praça da Ópera, onde ocorreu aquela famosa queima de livros promovida por Hitler em 1933:

Screen Shot 01-16-15 at 03.51 PM

Aliás, o gesto nazista (a mão esticada) é um gesto proibido por lei. Dá multa e cadeia. O guia falou o valor da multa para quem desrespeitar. É um valor altíssimo, mas eu não lembro e tô com preguiça de pesquisar.

O tour terminou e já era noite cerrada. Pernas doíam, frio por todo o corpo. Mas foi nesse dia que agradeci ter comprado a bota de neve e o casacão. Ambos se mostraram realmente impermeáveis. Obrigada, Decathlon.

Voltei para o hostel, jantei um pedaço de torta com Kartoffelsalad (salada de batata – aparentemente eles colocam salada de batata até quando é coisa doce), tomei umas cervejas e fim dos nossos serviços.

24 de dezembro, Alexandreplatz, Nikolaiviertel, Eastside Gallery e véspera de Natal

Dia de rolê by my own. Tava um frio da desgrama, temperatura negativa, e continuava chovendo. Mas comigo não tem tempo ruim. Minha programação era ir à Alexanderplatz, à Nikolaiviertel e à Eastside Gallery, tudo a pé. Concluída satisfatoriamente.

A Alexanderplatz é uma praça enorme, cheia de lojas, shopping e mil coisas, bem perto do hostel. Obviamente o local sediava uma Feira de Natal, com centenas de barraquinhas vendendo de tudo um pouco: brinquedos, roupas, doces, comidas típicas… E no centro rolava uma pista de patinação. Eu não tive coragem: só tinha pró patinando. Até as criancinhas pequenininhas eram pró. Eu ia ser a grande atração (mico) do lugar…

2014-12-24 11.59.23

Vi por ali uma loja com cara de coisa barata e me dei conta de que não tinha um gorro. Precisava de um gorro. Entrei na loja. Foi meio ÚNICO ímpeto consumista em toda a viagem. Saí com o gorro (€3), e também com cachecol, três (!) calças jeans, cada uma a € 6,50, top de ginástica, uma blusa (a amarela, que vocês me verão usando no Ano Novo e na minha última noite na Suíça) e meias. Gastei menos de € 40. Amo muito.

Screen Shot 01-16-15 at 04.41 PM

Já passava do meio-dia e eu ainda tava de jejum. Mandei uma porção dessa aí de cogumelo, na foto acima. Com molho de alho e pão.  Bagulho oleoso até dizer chega. Não caiu nada bem, maior revertério intestinal… Sorry a too much information. Mas ainda tinha muita coisa o que fazer naquele dia, aguentei à duas penas o máximo que pude.

Andei até o Nikolaiviertel, que sediava mais uma Feira de Natal. O que não era Feira de Natal eram obras. obras, obras e mais obras. Guindastes, lama, tapumes. Nenhuma foto aproveitável, exceto essa, que traz o novo e o velho:

Screen Shot 01-16-15 at 04.41 PM 001

A igreja mais antiga de Berlim e a modernidade da Torre de Tv, atrás.

O Nikolaiviertel tem várias vielas com cafés, lojas, restaurantes, tudo com um jeitinho de cidade medieval. Fofo. Mas as obras e a chuva forte que caía no momento não colaboraram.

Andei então até a Eastside Gallery, uma boa caminhada por um lugar totalmente sem graça. Fica o aprendizado: melhor ir de tram (o bondinho).

A Eastside Gallery é uma área ao ar livre que preserva parte do Muro de Berlim e traz em suas duas faces obras de artistas de rua (achei os grafites meio sem graça. Sou muito mais um Kobra ou OsGêmeos, desculpa aê). Mas valeu a experiência.

2014-12-24 13.30.26

Não satisfeita com as pernas doendo, o intestino em frangalhos devido aos cogumelos com alho, a chuva que insistia em cair e a distância de 5 km que teria de percorrer, voltei ao hostel andando por mais uma rua totalmente sem graça. Fica o aprendizado².

É véspera de Natal, todo mundo com a família bláblá. Abdiquei faz tempo dessas coisas. Depois de um bom banho, desci ao bar do hostel. Encontrei um brasileiro que eu tinha conhecido no walking tour do dia anterior e, quando vi, estava ensinando o melhor drinking game do mundo (SUECA!) para um grupo de australianas, chineses, americanos e outro brasileiro; bebendo litros de cerveja; tomando shots de bebidas desconhecidas e me divertindo muito, muuuuuito.

Minha ceia de natal:

Screen Shot 01-16-15 at 04.41 PM 002

Era tipo uma pizza, mas muito mais leve. Dizem que é especialidade suíça. Sei lá. Tava gostoso e segurou a barra.
Screen Shot 01-16-15 at 04.42 PM

Até gorro de Papai Noel apareceu na minha cabeça, sabe-se lá de onde.

25 de dezembro, Berliner Fernsehturm

Saí na rua e tinha céu azul! Sol! Uhuuuuu!

Só que cada centímetro do meu corpo doía e a vertigem, que tinha diminuído nos dias anteriores, voltou com tudo (pq bebi horrores, eu sei). De modo que o dia teria de ser light, muito muito light.

Aproveitei o dia bonito para um rolê de vista panorâmica: a Berliner Fernsehturm. Até porque era Natal e 10 entre 10 estabelecimentos (de farmácias a lojas, passando por museus, restaurantes etc etc) estavam fechados. Mas a torre estava aberta, então bora lá.

€17 para subir no lugar. Bem caro. Mas acho imprescindível uma vista panorâmica. E minhas contas estavam muitíssimo em ordem: in fact, estava gastando muito menos do que imaginava.

Só que tinha uma fila de quase 2h. Só que era por senha, o que permitiu que eu fosse dar um rolê, comer alguma besteira, tomar um chocolate quente, curtir um maravilhoso sol gelado e voltar a tempo de chamarem o meu número.

2014-12-25 15.53.19

E olha… Valeu a pena.

Screen Shot 01-16-15 at 05.11 PM

Na foto dá pra ver um pedaço da Feira de Natal da Nikolaiviertel, o Berliner Dom, o Portão de Brandemburgo e o Tiergarten lá atrás…

Mas eu mal conseguia ficar em pé de vertigem. Não chegava a dar enjoo, mas parecia que tinha um terremoto eterno sob meus pés. Sensação horrível.

Voltei para o hostel e dormi para ver se melhorava.

3h de sono e quando acordei não havia mais sinal de vertigem.

Nessa noite, o hostel promoveu um jantar de Natal €10 por pessoa. De entrada uma sopa, frango com legumes de prato principal e um musse de sobremesa. Com vinho branco. E uma cerveja mais tarde. Meio fracote, mas por 10 tá valendo.

Ao descer para o jantar não reconheci ninguém da noite anterior. Me sentei numa mesa com duas americanas, um inglês, três australianos, um canadense e mais tarde se juntou a nós um mexicano. Aparentemente era uma mesa com roommates de 2 quartos e eu, a burguesa do quarto privativo. hahaha. TÔ NEM AÍ, quero conforto nessa vida.

Long story short: noite DIVERTIDÍSSIMA. O mexicano descolou shots de Agave para nós (uma bebida feita com a mesma planta que a tequila, só que num processo mais lento e elaborado, algo assim), tomamos muita cerveja, descemos para o bar, bebemos mais, mais gente foi se juntando ao nosso grupo… Uma coisa louca.

Mas não me demorei tanto quanto gostaria. Tava com medo da vertigem voltar.

26 de dezembro, último dia em Berlim

Primeiramente, acordei e olhei a janela:

Screen Shot 01-16-15 at 05.45 PM

Nevando ♥

Não é a primeira vez que vejo neve (minha primeira vez experiência com neve foi em 1994, em Bariloche, Argentina); não é a primeira vez que vejo nevar (a primeira vez foi em Lucerne, Suíça, em 1997). Mas é sempre um espetáculo lindo, ainda mais para nós, nada acostumados a isso. Os floquinhos de neve são de uma beleza e perfeição indescritíveis. A neve é linda, gente.

Estava sossegada tomando café da manhã e planejando o meu dia (rolê pela Strasse des 17 Juni, Tiergarten, Postdamerplatz, Gerdamenmarkt e museu da história alemã) quando uma das pessoas que conheci anteriormente sentou na minha mesa e perguntou se poderia fazer o rolê comigo. Lutei contra meu espírito individualista ao extremo e topei a companhia da Cathy, uma chinesa que mora há anos na Austrália (e para quem ensinei sueca dois dias antes).

Cathy e eu fomos de metrô até o Portão de Brandemburgo, nosso ponto de partida para o tour do dia. Geral se divertindo com a primeira neve da temporada. Tive essa sorte. E também alguém para tirar fotos para mim 🙂

Screen Shot 01-16-15 at 05.45 PM 001

Só que como podem ver pelo tapume branco, algo estava rolando: metade da região estava interditada, até para pedestres, por conta dos preparativos para a festa de ano novo (a Strasse des 17 Juni é tipo a Avenida Paulista de Berlim – os grandes eventos são todos lá). Assim, o meu primeiro plano, de andar pela rua, foi pro saco.

No harm done. Entramos no Tiergarten, o Central Park de Berlim, onde, no verão, a galera toma sol pelada. Obviamente no inverno são outros 500. A paisagem é bem diferente. De qualquer modo, lindíssima: as árvores nevadas são de tirar o fôlego.

2014-12-26 10.57.28

Seguimos então até a Postdamer Platz. Passamos pelo Memorial do Holocausto, pelo Bunker do Hitler e por outros lugares, e eu fui explicando à Cathy o que era o quê, sendo eu a guia, dessa vez – ela não tinha feito o walking tour.

Na Postdamer Platz… Adivinhem:

Sim, Feira de Natal. Hahha

Só que em vez de pista de patinação, tinha uma ladeira de gelo para descer com boia inflável – opa, isso eu encaro!

Cathy e eu de fato encaramos. € 1,50 a brincadeira.

Screen Shot 01-16-15 at 05.46 PMFoi divertido =D

Andamos até o Sony Center, que tem uma caralhada de coisas, restaurantes, museus, Legoland, lojas… Sério, é um mundo. Mas não ficamos muito lá. Continuamos a jornada.

Logo estávamos na Fassbender & Rausch, a maior loja de chocolates do mundo.

Na fachada estão expostos importantes monumentos de Berlim, tipo o Parlamento e o Portão de Brandemburgo, feitos de CHOCOLATE. Tinha placas para não tocar, mas obviamente uma galera metia a mão para ver se era mesmo chocolate. Pela reação delas, era.

Resolvemos almoçar na feira de Natal da Gendarmenmarkt – falei à Cathy que era a mais tradicional da Alemanha e talz. De fato, era bem diferente das outras. Mais típica, digamos. Poucos turistas, muitos locais.

Provei pela primeira vez na vida um Eggnog (é estranho) e Cathy foi na minha onda:

2014-12-26 22.13.14Comemos um negócio que todo mundo tava comendo, parecia uma pizza, com um queijo esquisito e bacon. Muito bom.
Screen Shot 01-16-15 at 05.46 PM 001

Französischer Dom, linda igreja na Gendarmemarkt.

Próxima parada: Deutsches Historisches Museum, o museu de história alemã – único museu aberto no período entre natal e ano novo. Bagulho é ENORME, gasta-se um século para vê-lo inteiro e com atenção. Só dispúnhamos de 2h, por tanto vimos bem rapidamente a história antiga alemã e um pouco mais atentamente o século XX, muito mais interessante (nazismo e ruptura entre as duas Alemanhas).

Screen Shot 01-16-15 at 05.47 PM

Há um vasto material sobre as guerras. Propaganda política, documentos, fotos… Bem interessante.

Saímos de lá e já era noite cerrada. Passamos na frente do Berliner Dom e me deu vontade de entrar.

Eis o altar da bela Catedral:

Screen Shot 01-16-15 at 05.47 PM 001🙂

Berlim é incrível.

Voltei ao hostel, tomei banho e lá fui eu para o bar de novo haha. Encontrei o brasileiro do walking tour e fomos jantar kebab ali pertinho. Voltei para o hostel e para o bar, obviamente. Conversei com brasileiros, com o inglês e o canadense do dia anterior, depois um grupo de australianos jovens me convidou para a mesa deles – mas não suportei por muito tempo as poop stories deles – depois encontrei o mexicano da noite anterior e, finalmente, fui dormir. Precisava acordar em poucas horas – meu trem para Praga saía às 7h e pouco da manhã!

CONTINUA.

Anúncios

México 2013

Mais uma viagem incrível para o meu currículo.

A Cidade do México foi a minha primeira viagem internacional de 2013 (espero que não a única!). Mais uma vez, com despesas aéreas e de hospedagem pagas por papai, lá fui eu conhecer um novo país.

O que motivou meu pai a ir para o México foi sua vontade de conhecer Puebla, uma cidade vizinha à Cidade do México (na capital ele já esteve algumas vezes). Também o fato de as passagens aéreas estarem baratíssimas. UM BEIJO PARA AS PROMOÇÕES DE PASSAGENS AÉREAS 😉

Sei nem quanto custou, mas foi barato. Nível bem @passagensaereas (se você gosta de viajar e ainda não conhece esse twitter/site… I feel sorry for you.)

Enfim. Papai me convidou para mais uma viagem pá-pum, bate-volta. Seria durante o feriado de Corpus Christi. Ida na quarta-feira, volta no domingo. Ao todo, 2 dias inteiros para a Cidade de México.

Mas o que fazer com apenas 2 dias na segunda maior metrópole da América, a 4ª maior metrópole do mundo? Uma das regiões mais ricas e importantes na história da América Latina? Num país com uma cultura singular, com uma gastronomia incrível? Nem incluo na lista paisagens naturais, que obviamente requerem uma viagem à parte (que está nos meus planos futuros).

Foi aí que entrou minha preparação, que incluiu e-mails trocados e um material emprestado pela queridíssima amiga Ayla, que passou muitos dias no México há não tanto tempo e que é apaixonada pelo mundo latino-americano.

Ela fez roteirinho para mim, falou o que era imperdível e deu toques para agilizar o tempo.

Só que as coisas nem sempre saem como planejadas. Às vezes a gente conhece um tiozão mexicano afim de esbanjar 50 anos de estudos latinos, aí a gente não tem muito o que fazer, além de receber de braços abertos tudo o que não descobriria de outra maneira. Mas já chego lá.

Quarta-feira, 29 de maio

Saímos de casa 3 da matina. Nos perdemos na Dutra no meio da madrugada. Pegamos quebradas absurdas no meio de favelas de Guarulhos, mas deu tudo certo, porque já tínhamos feito o check-in eletrônico e viajantes bate-e-volta nunca despacham bagagem, por tanto deu o tempo certinho de chegarmos ao aeroporto e embarcarmos. Mas foi um sufoco.

O voo da TACA foi bacaninha. Serviço de bordo com comida quente e bebida alcoólica a gente não vê em qualquer companhia, hoje em dia. Duro foi conexão na ida e na volta em Lima.

Antes de chegar à Lima, sobrevoamos toda a Cordilheira dos Andes e vimos lá do alto o lindíssimo Lago Titicaca e La Paz. Um verdadeiro buraco (no bom sentido) povoado no meio do nada da Cordilheira

Chegamos na Cidade do México 18h e pouco. Em pleno dia. Beijo pros dias longos do hemisfério norte =*

Fomos até o hotel usando o serviço público de ônibus que vai do aeroporto ao centro histórico. $ 30 pesos cada (10 pesos = U$ 1). Foi rápido. O ônibus tem uma faixa-exclusiva para ele.

O hotel Roble fica bem pertinho do Zócalo (a praça matriz), super bem localizado.  2 noites para 2 pessoas, U$ 120 total. Sem café da manhã. Era um quarto pequeno, sem luxo nenhum. Banheiro idem. Fez calor e o ventilador foi insuficiente. Não recomendo no verão. Além disso, uma baratinha fez uma visita surpresa a certa altura. Só olhou e deu meia volta por baixo da porta.

Cansados de um dia inteiro de avião, só tomamos um banho e fomos jantar num restaurante ryco e phyno no meio do Zócalo. O La Casa de las Sirenas fica num casarão fofo do século XVIII, possui uma vista bacana para a Catedral Metropolitana (que estava toda apagada devido a uma forte tempestade que deu um curto nas luzes, na noite anterior), para o Templo Mayor (as ruínas astecas) e para o Palácio do Governo, único que deu pra ver mais ou menos.

O restaurante é bem carinho e recebe muito estrangeiro. A mesa do lado, meu pai jura, era formada por tipinhos professorais de tudo que era canto do mundo participando de encontros/palestras com motes sociais: de fato havia francês, português, inglês e espanhol sendo falados na tal mesa.

De entrada, tacos com carne de pato. Apenas DIVINO. Só a entrada já seria suficiente, mas ainda tinha prato principal: “la gallinita em mole de mango” para mim. Um peito de frango com um molho de manga, arroz branco e um purê que lembrava muito uma pamonha. Bem bacanudo, mas não aguentei nem 1/3. Para beber, cerveja Corona, a oficial mexicana. A conta passou dos 900 pesos.

Quinta-feira, 30 de maio –

Minha intenção era acordar bem cedo – madrugar – e ir para Teotihuacán na primeira hora. Não rolou, eu estava morta. Acabei indo tomar café da manhã com papi no Starbucks (lá tem em cada esquina, que nem em NY), depois demos um passeio pelo Zócalo, entramos na Catedral Metropolitana (a maior catedral da América Latina), vimos pelas grades as ruínas astecas e o Palácio do Governo.

IMG_5854

Fachada da catedral vizinha à Catedral Metropolitana. Não sei o nome dela, sei que a fachada é linda!

Ali do lado é a entrada do museu do Templo Mayor – as ruínas astecas em pleno Zócalo. A cidade asteca foi soterrada, na época da colonização, e sobre ela foi construída a Cidade do México. Só vislumbrei as ruínas pelas grades, ainda não estava aberto.

De qualquer modo, eu estava indo para Teotihuacán. Muito mais impactante.

Fui de metrô.

O metrô da Cidade do México é velho, cheio e quente, QUENTE DEMAIS. Mas custa o equivalente a R$ 0,50, e te leva pra cidade inteira (lembrando que a Cidade do México é maior que São Paulo): a malha do metrô deles tem 202 Km de extensão, e o nosso mal passa dos 70. O preço, $ 3 pesos, está congelado há anos. Em meio às manifestações do Movimento Passe Livre, deixo aí uma comparação interessante com São Paulo.

Enfim: o metrô de lá tem uma coisa que para alguns pode ser chata. A interligação entre linhas de metrô diferentes é feita por corredores enormes, pior do que a ligação Paulista (linha amarela) – Consolação (linha verde), em São Paulo. São 5, 10 minutos andando de uma plataforma a outra. No mínimo.

Outra coisa interessante do metrô de lá: sabe como nós, no Brasil, reclamamos de gente que ouve música no celular sem fone de ouvido? Lá os caras entram no metrô com uma caixa de som de 1 metro nas costas tocando músicas das mais variadas com o intuito de vender CD. Do nada entra uma caixa de som ambulante no seu vagão, com o som altíssimo fazendo vibrar, involuntariamente, cada músculo do seu corpo. E todo mundo age na maior naturalidade.

Enfim. Cheguei à estação Autobuses del Norte rápido. Entrando no terminal, fui à esquerda. É o penúltimo guichê. Acho que número 8. Achei também rápido o guichê que vendia passagens de ônibus à Ciudad Historica (em nenhum lugar há menção à Teotihuacán).  Custou 40 pesos.

A ida foi sem graça. O dia estava enevoado e os arredores por onde o ônibus passou não tinham qualquer atrativo. Fora que demorou: a estrada estava sendo recapeada. Foram mais de 2h de ida.

Mas cheguei enfim.

Gastei 57 pesos para entrar no sítio arqueológico de Teotihuacán.

IMG_5861

Eu com a placa de “Patrimônio Cultural da Humanidade” em Teotihuacán

Entrei. Muuuuuuuuito vendedor ambulante te persegue tentando vender bugigangas das mais variadas. NO, GRACIAS eternas. Não soube para onde ir e decidi ir em frente, deixando as pirâmides do Sol e da Lua para depois. Cruzei a Calle de los Muertos para conhecer a Ciudadela e a pequena pirâmide de la Serpiente, que tem uns detalhes lindos gravados há séculos.

Depois voltei à Calle de los Muertos, que é tipo a avenida principal da cidade, com mais de 2 Km, e segui à direita, sentido pirâmides.

Um mapa da cidade, para entender meu caminho:

http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Conjunto_Teotihuacan_Detallado.JPG

Uma boa caminhada sob um sol forte e com mais de 2 mil metros de altitude até chegar à base da primeira pirâmide, a única que permite que alcancemos o topo.

São 200 e tantos degraus até chegar, mas o visual da enorme cidade pré-hispânica é devastador:

IMG_5874

Desci e continuei pela Calle de los Muertos até a Pirâmide de la Luna.

IMG_5894

As duas pirâmides tem o mesmo tamanho, mas por conta do desnível do terreno, a do Sol parece muito maior.

O sol forte e a luminosidade não colaboraram com as fotos.

Gastei cerca de 3 horas nas caminhadas. Voltei pela Calle de Los Muertos até chegar ao mesmo lugar onde entrei. Comprei uma água caríssima na lojinha (15 pesos – depois vi na vending machine do lado que custava 7) e fui esperar o bus pra voltar pra Cidade do México, continuar minha jornada pré-hispânica.

Apenas morri de cansaço no ônibus, mesmo com um tiozão Mariachi fazendo um showzinho inesperado. O cara tava sentado, de repente levantou, pegou um violão e começou a tocar. Êta povo musical.

A volta demorou menos de 1h. De volta ao terminal, fui de metrô até os arredores do parque Chapultec para conhecer o Museo de Antropologia.

Mas não foi tão fácil achar. Tive que pedir informações pelo caminho. Nisso, lembrei que eu devia comer alguma coisa. Vi uma tia vendendo salada de frutas e comprei. Ela ofereceu para colocar PIMENTA na SALADA DE FRUTAS. Ai, México…

Enfim achei o museu. O espanhol dos mexicanos é facilmente compreensível, felizmente. Eu me virava com um portunhol bem baixo nível, mas entendia perfeitamente o que me falavam.

O museu de Antropologia, também 57 pesos, é enorme. Minhas pernas doíam. Fui percorrendo as salas: história da antropologia, maias, astecas, e tantas outras que não lembro. Artesanatos, réplicas de como viviam, de suas roupas, alimentos, mapas de onde viviam. Muito completo. Fiquei pensando no Brasil, na vida indígena riquíssima que nosso país e nossos políticos matam dia após dia. Na falta de estudos sobre os nossos índios… Sobre a falta de interesse de quase todos por esse tópico fundamental da História do Brasil (manifestação contra o genocídio dos índios só meia dúzia faz, percebeu?).

Na última sala, a principal relíquia do museu: o calendário asteca, ou a Pedra do Sol, que ficava no Templo Mayor (nas ruínas lá do centrão da Cidade do México). Aqui está a história dele, com explicação de cada detalhe. Resumo da ópera: não era na verdade um calendário, mas sim um monumento ao Sol onde se realizavam sacrifícios.

IMG_5907

Outra peça importantíssima que achamos no Museu de Antropologia é a “big head” de um guerreiro Olmec.

IMG_5911

Saí do museu umas 17h e pouco, com o sol ainda a pino, e resolvi ir andando pela avenida Paseo de la Reforma, que tem por toda sua extensão vários monumentos importantes, como o Ángel de la Independencia (abaixo).

IMG_5920

Continuando a caminhada por esta mesma avenida – claramente área nobre da cidade – fui surpreendida por uma incrível descoberta: uma Feira de Nações Amigas do México. Por quase 2 kms de extensão, centenas de tendas de todos os países imagináveis (Sudão, Árabia Saudita, Equador, Mongólia, Chade, tudo, tudo!) traziam objetos, comidas, imagens de suas culturas. Desde as coisas estereotipadas (salsichão e cerveja na Alemanha; sushi, sakê e gatinhos da sorte no Japão; hot dog nos EUA, etc), até espetos de insetos no estande da China, por exemplo, e roupas africanas no estande do Quênia… Incrível!!!

A avenida estava entupida de transeuntes interessados em conhecer tantas culturas, provar o sorvete italiano, a cerveja tcheca, o doce de leite uruguaio, os pratos apimentados da Indonésia e, claro, tomar Guaraná e comer coxinha no estande do Brasil ♥

IMG_5922

Minha próxima meta era o Monumento da Revolução. Para tanto, entrei na avenida Insurgientes. Me deparei primeiro com um monumento esquisito que fazia uma sombra enorme em todo o quarteirão – Monumento a La Madre. Andei mais uns minutos e achei o que procurava: o Monumento a La Revolución.

IMG_5927

Dizem que tem uma vista bacana do alto dos seus 60 e poucos metros de altura. Não fui conferir. Estava com o corpo moído de andar o dia inteiro.

O Monumento à Revolução Mexicana foi inaugurado em 1938 e é um dos símbolos mais veementes do que significa construir uma cidade sobre um lago, o Texcoco. Assim como o Monumento à Independência, eles vão afundando ano após ano.

A Cidade do México foi construída sobre um lago. A pintura abaixo retrata a Cidade alguns séculos atrás (está e exposição no museu da Torre Latinoamericana). Tudo que era água foi aterrado, dando lugar à urbanização desenfreada.

IMG_5958

Andei mais um pouco e entrei no próximo metrô, em direção ao Zócalo.

Cheguei ao hotel exausta. Além de andar MUITO, não esqueçamos que a Cidade do México está a quase 2.500 metros de altitude, ou seja, o ar não chega aos nossos pulmões com tanta facilidade.

Tomei banho e percebi o estrago do dia (não me refiro à espinha):

IMG_5940

Quando te disserem para levar protetor solar às pirâmides de Teotihuacán, acredite.

Papi e yo estávamos exaustos (ele passou o dia em Puebla), e resolvemos jantar no restaurante do hotel. Eu comi quesadillas com guacamole e cerveja Corona. Quebrou o galho.

IMG_5944

Sexta-feira, 31 de maio –

Hotel sem café da manhã é uma droga, né? Umas 8h fui andando até uma enorme padaria que eu tinha visto no primeiro dia. Pastelaria Ideal. Só que não era bem uma padaria: era um self-service de gordices de carboidrato puro, a grande maioria doces. Croissants de chocolate, bolos, donnuts, biscoitos de manteiga, broa, tuuuuuuuuudo. Mas nada de pão, nem coisa pra beber. Comi um croissant e andei até o Zócalo.

Entrei na Catedral Metropolitana esperando ver uma missa, um coro, algo assim, mas estava muito cedo. Fui até o Palácio do Governo, mas estava tendo um protesto na frente dele e fecharam a entrada. Fiquei sem ver os murais do Diego Rivera que lá residem. Saco.

Decidi improvisar. Fui andando pela avenida Francisco Madero, que é um calçadão cheio de lojas de bacaninhas (Zara, Starbucks, Levis…), restaurantes, cafés…

Quando vi estava sob a sombra da Torre Latinoamerica, um arranha-céu de quase 200 metros que possui um mirante com vista de toda a Cidade do México.

Eu piro em mirantes, gente. Nem me importei de pagar 80 pesos. Valeu a pena, até porque o ingresso permite que você entre no prédio várias vezes no mesmo dia, e foi o que eu fiz: de manhã e de tardinha (já que a claridade da manhã ferrou com as minhas fotos). O ingresso dá direito a acessar o museu, que tem umas pinturas da transformação da Cidade do México ao que é hoje e, o mais legal, o efeito devastador de alguns dos maiores terremotos na cidade. Nos anos 80, teve um terremoto que praticamente destruiu tudo.

De lá de cima delineei meu roteiro: ir ao Palácio de Bellas Artes, depois ao Museu Mural Diego Rivera, depois à Casa da Frida, em seguida ao mercado de Coyoacán e depois à Casa do Diego.

O que realmente fiz: desencanei do Palácio de Bellas Artes momentaneamente e fui andando pela bela praça que cerca a Alameda Central até o Museu Mural Diego Rivera. O museu é o mural. O mural é o museu. São 40 pesos para entrar (se quiser tirar foto são mais uns 30 – eu tenho acesso ao google e prefiro pegar de lá).

O mural é aquele do Diego criança de mãos dadas com uma caveira, “Sueño de una tarde dominical”:

Tinha uma placa detalhando quem é cada um nesse mural. Enquanto tentava entender, um tio percebeu minha profunda admiração pelo mural e começou a puxar papo.

Arturo. Mexicano, por volta dos 50 anos.

Estudou Diego Rivera a vida inteira e achou que eu era merecedora de uma verdadeira aula sobre o muralista. Sem cobrar nada.

Esse do Museu Mural traz diversos elementos da história antiga, recente e atual do México. Tem as fogueiras da Inquisição, o colonizador e genocida Hernán Cortez, o heroi da revolução Benito Juarez, a miséria, a ostentação, o vendedor de doces, o abuso dos militares, cidadãos comuns e ela, Frida Kahlo, atrás do menino Diego Rivera.

Arturo me explicou cada detalhe do mural e me convenceu a ir com ele no Palácio de Bellas Artes conhecer “o mural mais incrível de Diego Rivera”. Quem sou eu para discutir!

O Palácio de Bellas Artes – que antes tinha passado batido, apenas tirando fotos da fachada – custa 40 pesos para entrar. Suas paredes internas são forradas de murais dos principais muralistas mexicanos: Diego Rivera, David Siqueiros (comunista que traiu Trostky – chego lá!) e Rufino Tamayo.

O tal incrível mural do Rivera que Arturo queria me mostrar era esse aqui, “El hombre en la encrucijada mirando con incertidumbre pero con esperanza y una visión alta en la elección de un curso que le guíe a un nuevo y mejor futuro”:

O mural tinha sido encomendado pelo grande empresário americano John Rockefeller. A pintura ficaria no saguão de entrada do complexo Rockefeller, em Nova York. Ao ver o mural de Diego, o empresário não gostou nada de ver o comunista Lênin retratado e mandou o artista mexicano apagar o rosto do dito-cujo.

Rivera se negou; Rockefeller pagou o que devia ao artista e destruiu seu mural. Simples assim.

O governo mexicano soube disso e convidou Diego a fazer o mesmo mural no Palácio de Bellas Artes. Diego topou e adicionou alguns detalhes, dentre eles retratado bêbado (com uma taça na mão e olhos enviesados) o empresário americano cercado de prostitutas. Tem mais! Em cima dessa cena tão americana-capitalista, foram retratadas bactérias e vírus de doenças sexualmente transmissíveis, como gonorreia. ACHO que Rivera se vingou =)

O mural retrata o capitalismo à esquerda e o comunismo à direita. O macrocosmo e o microcosmo. Guerra nuclear. Drogas. Poluição. Ciência. Teoria da Evolução. São muitos elementos. De fato, Arturo tem razão: é incrível.

Os outros murais também são bacanas.

Enfim, se estiver passando pela Cidade do México, conheça o Palácio de Bellas Artes e gaste um tempo sentado na frente desse mural fantástico.

IMG_5961

Fachada do Palácio de Bellas Artes

A seguir, já umas 14h (ferrou com minha programação!), peguei o metrô até Coyoacán, bem ao sul da cidade, conhecer o bairro da Frida e do Trostky (Arturo me convenceu de que o museu valia a pena).

Do metrô até a casa onde Trostky viveu e morreu foram uns bons 30 minutos andando por uma avenidona sem qualquer atrativo. Mas estamos na chuva temos de nos molhar, right?

O Museu Casa de Leon Trotsky também tem frescura com fotos; se quiser fotografar, paga mais. Eu optei por não tirar fotos, por tanto paguei 40 pesos. O ingresso dá direito à guia dentro do museu. Foi o que fiz. Em cerca de 40 minutos vi a casa toda, fotografias da família toda (o único neto, que é responsável pelo museu, tem mais de 80 anos e vive no México com sua prole, descendentes de Trostky!), sua biblioteca… Aprendi muito!

Trotsky foi um marxista e bolchevique. Um dos líderes da Revolução Russa. Desempenhou importantes funções políticas no comunismo russo. Após a morte de Lênin, Trostky e Stálin disputaram o poder na Revolução Soviética. Stálin chegou ao poder e perseguiu seu rival em 1001 países, assassinando filhos e quem estivesse pelo caminho. “Stálin jamais sossegaria enquanto Trotsky estivesse vivo”, disse o guia. Trostky se refugiou em meio mundo.

Meanwhile, Diego Rivera e Frida Kahlo, comunistas, souberam que Trotsky procurava por asilo político. Diego tinha relevância junto ao governo, e convenceu o presidente a aceitar o comunista russo e sua esposa no México.

Primeiramente, o casal ficou na casa de Frida e Diego. Só que Trotsky e Frida tiveram um lance. Sacando os córneos, a esposa do russo fez os dois se mudaram para uma casa só deles.

Trotsky continuou trabalhando pro partido.

O primeiro atentado contra sua vida foi orquestrado pelo muralista, também comunista e amigo de Frida e Diego, David Siqueiros. Só que ele contratou um bando de anta. Dezenas de pessoas invadiram a casa de Trotsky e metralharam geral. Só acertaram paredes. Ninguém se feriu.

Diante do atentado, Trotsky, temendo muito pela sua vida, blindou a casa inteira: não adiantou.

Tinha um cara contratado pelo Stálin para matar Trotsky. O desgraçado se aproximou da irmã da secretária do Trotsky, fez a coitada se apaixonar, tal e tal. Conseguiu acesso à casa de Trotsky como amigo da família. Até que um dia apunhalou Trotsky na nuca.

Trotsky não morreu imediatamente. Ainda ficou no hospital consciente por uns dias. Daí morreu.

No final do tour e da História, o acachapante túmulo com os restos mortais de Trotsky no centro do jardim de sua casa. Uma enorme tumba sombreada por uma bandeira vermelha. Na tumba, a inscrição da foice e do martelo.

Arrepiante.

Fachada do museu:

IMG_5975

Próxima parada: Casa Azul, casa de Frida Kahlo. Por 80 pesos (para tirar foto mais uma grana) temos acesso ao museu da Frida e ao Museu do Diego Rivera, em San Angél (não deu tempo =/). Vi a Casa Azul relativamente rápido: o quarto da Frida, o belo jardim no meio da casa com uma pirâmide; aqueles quadros transcendentais da Frida; sua máscara mortuária; a decoração fofa e bizarra da casa.

Na miúda, tirei foto do jardim:

IMG_5976

Coyoacán é um bairro muito fofo. Só casas de classe média, muito verde, muita calma. Me lembra uma Vila Madalena, só que sem o agito e nem a especulação imobiliária. Na época de Frida, Diego e Trotsky, era como que uma cidade do interior, um bairro industrial bem afastado do centro.

No centro do bairro tem um mercado. Nada melhor e mais autêntico para almoçar, né?

Comi dois tacos: um de champignons e um de lula. Estou viva.

Se liga no visual da barraca dos tacos. Nas travessas, os recheios:

IMG_5982

México, seu lindo!

O mercado vendia de TUDO: galinhas vivas, brinquedos, fantasias do Cháves, frutas, doces e, claro recuerdos. Foi lá que comprei as pouquíssimas bugigangas adquiridas na viagem.

Frida caveira ♥

IMG_5985

Andei até a praça principal de Coyoacán e entrei na igrejinha.

IMG_5990

Quando vi, eram 17h30. Em menos de meia hora o museu do Diego Rivera (de acordo com minha programação, a última parada) estaria fechado. Não daria tempo de chegar, muito menos de ver as coisas.

Diante das circunstâncias, desisti. 😦

Andei até o metrô (longe pra cacete da praça de Coyoacán) e fui até o Hidalgo: decidi subir de novo no mirante da Torre Latinoamericano. Foi uma ótima ideia!

Vista das montanhas (duas delas são vulcões!)

IMG_5992

No centro da foto abaixo, uma bandeirinha do México. É o Zócalo! Estonteante a imensidão da cidade. Ah, lembrando que há poucos prédios na cidade por causa dos frequentes terremotos.

IMG_5995

Praça da Alameda Central:

IMG_5998

Fazia uma tarde linda. Sexta-feira. Todo mundo na rua. E quanta gente!!

Fui andando pela calle Francisco Madero até o Zócalo.

Os artistas de rua de lá dão um banhos nos nossos, brasileiros. Olha a caracterização do soldadinho, que legal:

IMG_6019

(Ele escondeu o rosto com a arma porque não dei dinheiro)

Comprei um sorvete numa sorveteria chique e continuei andando até o Zócalo.

IMG_6020

Liiiiinda tarde!

Voltei pro hotel e fui com meu pai jantar num restaurante de frutos do mar, o Fisher’s. Restaurante todo modernoso, com cara de Lanchonete da Cidade, sabem?

Tomamos margaritas, eu de tamarindo.

IMG_6033

Meu prato era composto de duas entradas. Um era um mini taco com frijoles e o outro eram tacos com cheddar e peixe-espada (que estava com um gosto fortíssimo de calabreza, ainda que o restaurante só trabalhe com frutos do mar).

Enfim.

Queria muito ter ido ao show dos Mariachis na Plaza Garibaldi, mas era meio longinho e nosso voo sairia em poucas horas. Mais uma programação cancelada 😦

Sábado, 1º de junho – 

O dia dos vôos eternos: saímos da Cidade do México com o sol raiando. Fizemos conexão, lá pela hora do almoço, em San Jose, Costa Rica e, depois, uma conexão em Lima de 6h. Achamos que seria uma boa ideia ir comer um ceviche, já que estávamos em Lima e a tarde estava linda. Só que tivemos que pagar a taxa aeroportuária. Quase U$ 100 meu pai e eu.

Fomos até a zona portuária de Callau, onde tem um restaurante gracinha à beira do pacífico:

IMG_6047

Olha o nosso ceviche, que lindo:

IMG_6040

Amo taaaaaaaaaaanto ceviche, mas tanto ♥♥♥

Ceviche é feito de peixe cru marinado no molho de limão. Acompanha cebola roxa, batata doce  e milho. E pimenta e coentro.

Voltamos para o aeroporto que estava simplesmente ENTUPIDO de viajantes, em sua maioria mochileiros europeus (extremamente fedidos, diga-se de passagem).

Nosso voo saiu de Lima de noite e chegou em São Paulo ainda de madrugada. Dormi quase o tempo todo.

FIM.

EUA 2012 – parte 3 – Nova York

E chegamos à parte final desse longo post e dessa deliciosa viagem, iniciada em Miami, continuada em Orlando e terminando em Nova York, meu objetivo primeiro, embora a viagem inteira tenha sido ótima.

Chegamos à Nova York pelo aeroporto JFK. Primeira coisa notada: ROMERO BRITTO. O aeroporto tem ilustrações e esculturas do pernambucano por tudo que é canto. No centro do Desembarque havia uma enorme “big apple” com texturas do artista. Aliás, em Miami, há várias lojas com objetos a la Romero Britto, e até personagens da Disney. Tá com tudo o cara.

Fomos procurar transfer para o hotel (U$ 25 cada, mais ou menos), mas nos indicaram um táxi: como estávamos em 2, seria vantajoso, além de mais confortável e rápido. Na realidade, custou U$ 50. Mas a rapidez compensou. Além de que andar nos famosos  e tradicionais táxis amarelos é uma parte importante da cultura novaiorquina.

NY estava gelada. Coisa de 5ºC, tempo fechado e ameaçando chuva. Ainda assim, apaixonante.

Chegamos ao albergue de tardinha. O HI NY é muito bom. Um dos melhores em que já fiquei. Localizado em UPTOWN, lá pela 103 th street (mas isso não é tão longe como parece). O quarto – premium, para 6 pessoas, misto, com café da manhã incluído – custou U$ 245,00 por pessoa, para 5 noites (NY é muito cara, gente). O banheiro era fora do quarto, mas de ótima qualidade. Assentos de privada descartáveis, secadores nos banheiros, boxes sempre limpos, com sabonete líquido. Aliás, o hotel inteiro era limpo, agradável e aconchegante. Não chegamos a participar de nenhuma atividade promovida por eles (tinha coisas incríveis, incluindo gospel no Harlem, mas a Pri não quis ir =/), mas percebe-se que eles são muito organizados e preocupados com nosso bem estar. Além disso, os funcionários também eram super prestativos.

Largamos nossas coisas e fomos dar uma volta pelos arredores. Pensamos em ir até o Central Park, mas erramos o caminho e acabamos em outro parque, o Riverside Park. Ó que coisa mais novaiorquina gostosa, minha primeira foto por lá:

Andamos um pouco no parque e daí começou a chover. Já estava anoitecendo e resolvemos ir para o albergue, comer alguma coisa e dormir cedo. Uma ótima escolha.

Para nosso tour por Nova York, compramos o City Pass. Já tinha utilizado o livrinho de vouchers em Toronto (Canadá, 2004), e gostei da ideia. Como primeira visita à cidade, e poucos dias disponíveis, o livrinho ajuda a organizar nosso tempo e nossos interesses. Além disso, as filas são menores e, geralmente, o preço vale a pena. Por U$ 72 por pessoa, tínhamos 7 ou 8 atrações, entre museus e passeio a Statue of Liberty. Inauguraríamos o livrinho no dia seguinte.

2 de abril – 

Depois de um café-da-manhã com bagel, chocolate quente e banana, pegamos o metrô e fomos até a famosa Times Square. Nos perdemos um pouco para chegar até a lendária esquina, mas foi bom. Olha só na frente do que tirei foto:

Sede do The New York Times 🙂

Também entramos em lojinhas e grandes lojas, tiramos fotos na entrada do museu de cera Madame Tussaud (não rola gastar U$ 40 pra entrar, gente), e com o cartaz do musical de Mary Poppins:

Até que, eis a Times Square, cheeeia de turistas, moradores, trabalhadores, gente do mundo:

Continuamos passeando até nos depararmos com uma fantástica e enorme loja da MM’s. TRÊS andares de produtos da marca, além de todos os tipos e cores de mm’s possíveis.

Saí de lá com MM’s de coco, de amêndoa, mentolado, de frutas vermelhas… Paraíso dos gordos. Incrível ♥

Rumando ao 30 Rockfeller Center, ainda passamos pela loja da Nintendo World – o sonho dos nerds, viciados em games e tal – que não despertou grandes paixões em mim, ainda que eu entenda o apelo, curti mesmo foi o segundo andar, onde rolava uma exposição da história da Nintendo – a evolução dos consoles, do Mario Bros., do Donkey Kong.

E a famosa pista de patinação no gelo, na frente do Rockfeller Center? Queria ir, mas era caaaro e estava sempre cheio!

Enquanto não dava nosso horário para subirmos ao Top of the Rock (o topo do 30 Rock), almoçamos pizza, tomei um Starbucks e entramos na esplêndida catedral neogótica de St. Patrick’s.

E os seriemaníacos, tão na área? Reconhecem essa imagem? 😉

Finalmente, hora de admirar NY no Top of the Rock!

E não podíamos ter escolhido um dia melhor. Claro, azul e sem névoas. Perfeito! E soltem os cabelos!

Ó o Central Park dominando a cena. E o rio Hudson.

Do outro lado. No cantinho superior direito vemos a ponta do Empire State, nossa próxima parada!

Ok, na verdade, nossa próxima parada foi a loja da Lego World. Depois, mil lojinhas de souvenirs, entre as quais, achei essa preciosidade:

Chegamos ao Empire State no lusco-fusco. Achamos que seria uma boa ideia matar os dois passeios panorâmicos no mesmo dia, e aproveitar que era segunda-feira (e a esperança de menos filas). RIGHT. Saca só a entrada do Empire State pra turistaiada ir no topo:

O INFERNO NA TERRA. Ficamos mais de 2h na fila, anoiteceu, batemos papo com brasileiros, brigamos com adolescentes americanas fura-filas e, horas depois, fomos ao topo do Empire State.

UM FRIO DO CAPETA.

Isso é tudo que consegui com uma câmera nada ideal para fotos panorâmicas noturnas e tremendo de frio.

Cinco minutos depois estávamos de volta ao saguão.

E nisso já eram umas 21h. Pegamos o metrô e, quando vimos, nossa única opção de jantar era Mc Donald’s. E assim foi.

3 de abril – 

Depois do café-da-manhã, fomos andando até o Museu de História Natural de NYC.

1º: indignação. Que porra de mapa sulamericano é esse? Desde quando o Brasil inteiro é dominado pela Amazônia? Hello, geografia, prazer.

Tirando isso, foi muito legal ver um dos maiores acervos de esqueletos de dinossauros do mundo:

Mamute e eu

Saímos do museu e fomos andar no Central Park, aproveitando a tarde linda que fazia.

Também visitamos o cantinho que é uma homenagem a John Lennon, o Strawberry Fields:

E, claro, passamos na frente do The Dakota, onde John Lennon foi assassinado há mais de 30 anos.

Depois de jantar Subway e voltar ao hostel, descobri que tinha perdido meu NY City Pass. Azaaaaaaaaaar. E descobri que não tinha como pegar outro. Me fodi bonito. Mas a gente pensou num esquema para eu não me foder tanto, e deu certo, no fim: iriamos nos museus em dias em que a entrada é mais barata; e uma alemã do nosso albergue me disse que no MOMA ela conseguiu pagar meia só com o boleto da faculdade, provando que é estudante. E todo em alemão. Como eu tinha levado pros EUA comprovante de matrícula da USP (com medo da imigração), pude aproveitá-lo.

4 de abril – 

Acordamos cedinho para ir à Estátua da Liberdade. O dia estava azul, agradável e lindo. Mas a fila para os barcos que vão até a ilha onde está a estátua era assustadora. Algo em torno de 2h. Mas fazer o quê, né…

Na fila, demos uma de americanas e comemos um pretzel bem gooooordo e grande:

O passeio de barco tava incluso no city pass, mas como perdi os vouchers, tive que comprar. Sem drama: custou U$ 13, só. Incluindo ida e volta e parada no museu da imigração da Ellis Island.

Bom, a primeira percepção da estátua da liberdade é a seguinte : QUE PEQUENA.

Nós, acostumados com a imponência do Cristo Redentor, nos impressionamentos com a Estátua da Liberdade, que tem mais nome que tamanho.

A volta pela ilha é bem rápida. Parando para tirar mil fotos, não dá mais de meia hora.

Mas o legal mesmo da ilha é a vista do skyline de Manhattan –

E as frondosas árvores floridas, na própria ilha – 

O museu da imigração é bem interessante. Mostra como a galera se ferrava na chegada aos Estados Unidos – ficavam em quarentena em verdadeiras prisões, eram catalogados como animais, coisas assim.

É bem deprimente, mas é história viva. É o sangue que ajudou a construir os Estados Unidos.

Olha um esquema de como era a inspeção para entrar nos Estados Unidos –

Ao voltar para NYC, já no finalzinho da tarde, resolvemos visitar o Memorial do 11 de setembro. No lugar das torres destruídas pelo atentado, fizeram uma fonte com o nome de todos os 10 mil e tantos mortos. Impactante.

Mas sabe a grande escrotidão? A MEGA RÍGIDA segurança ao redor do memorial. Passamos por raio-x, apalpações, uma fila quilométrica pra ver a porra da fonte.

Uma paranóia fodida. E irritante.

Próxima parada: metrô.

No caminho, nos deparamos com uma lindíssima igreja no melhor estilo história de terror, com cemitério do lado e tudo:

Na igreja estava começando uma missa. E tinha canto gregoriano! Incrível!

Depois fomos bater perna pela Times Square e entrar em lojas. Sephora, Victoria Secrets, H&M e tantas grifes que fazem os consumistas – not us – pirarem.

Impressionante como as coisas são baratas.

Comprei S-E-T-E produtos da Victoria Secrets, entre sabonetes líquidos, hidratantes, gloss e talz, por U$ 35! Coisa linda.

Começo a entender gente que viaja só pra fazer compras, viu.

Jantamos fast food vagabunda em um muquifinho da 6th avenue.

5 de abril – 

No nosso penúltimo dia em NYC, decidimos fazer um mega combo, incluindo zoológico, almoço bom (pra variar), MOMA e Broadway.

Começamos com o zoológico do Central Park. Pequeno, mas muito interessante. Rola um ambiente fechado que simula regiões tropicais – e é simplesmente incrível! Uma mini-floresta super úmida, com várias aves tropicais lindas, sapos venenosos, baratas, cobras… E era quente mesmo! Tiramos nossos casacões – tava uns 5ºC na rua – e até sentimos calor.

Na área externa, uma piscina enorme tinha várias focas felizes e saltitantes. Também tinha o tanque dos ursos polares, e tinha um lince maravilhoso 

A loja do zoológico é incrível, bichos de pelúcia de tudo que é animal. Ó que lindo o povão que a Pri viu (mas não comprou):

Depois fomos para a Times Square tentar comprar ingresso para um musical da Broadway. 1h e pouco de fila e conseguimos: U$ 80 dólares cada para assistir “O Fantasma da Ópera”, na mesma noite.

Daí almoçamos no Planet Hollywood. Sempre incrível, com peças, assessórios e roupas usados nos filmes. Já na entrada tinha o clássico vestuário de Charlie Harper (Two and a Half Men) e um enorme coringa (fase Jack Nicholson). Almoçamos bem e seguimos adiante, rumo ao MOMA – Museu de Arte Moderna de NY, sede de algumas das principais pinturas da humanidade, tipo:

“Starry Night”, meu quadro preferido EVER, do Van Gogh;

Persistência da Memória – o quadro dos relógios vazando, do Salvador Dalí (tão pequeniniiiinho o quadro)

Roy Lichtenstein;

Isso sem falar de uma porrada de arte contemporânea bizarra, tipo Marcel Duchamp:

(não curto essa história de pegar uma privada e falar que é arte)…

Vimos tudo super correndo.

Na volta, passamos numa loja fantástica do Lindt, uma das melhores marcas de chocolate do mundo. De falar em Lindt minha boca saliva. É bom demais. Comprei algumas barras bizarras – tinha uma de pimenta (ok) e outra com um leve toque de sal marinho (!!!) que dei pro meu pai e ele A-M-O-U (de fato, era interessante).

Próxima etapa: O FANTASMA DA ÓPERA.

Olha… Muito bonito, mas SOOOOOOOOOOOOOOOOO FUCKING BOOOOOOOOOOOOOOORING. Puta merda, que troço chato.

Primeira consideração: não entendi metade da peça;

Segunda consideração: B-O-R-I-N-G.

(minha tia atriz me deu bronquinha por ter ido no Fantasma da Ópera. Ela disse que valia mais a pena ver Mary Poppins, Rei Leão, qualquer coisa.)

Terminou tardão. Antes de voltar pro albergue mandamos um MC Donalds (é, eu sei).

6 de abril – 

Última dia de hostel. Último dia da Pri em Nova York. Penúltimo dia meu.

Ainda tava faltando irmos ao Metropolitan Museum of Art, e foi nele que gastamos o dia inteiro – deveriamos ter passado uns 5 dias lá, isso sim. Tantas alas que não deu pra ver!

Pinturas, esculturas e objetos que são marcos da humanidade, que que remetem a séculos de descobertas das civilizações oriental e ocidental. Um dos grandes museus do mundo.

Vang Gogh:

Monet:

Peças árabes:

Sala dos tapetes turcos:

Uma ala ENORME e apaixonante do Egito (só não tinha múmia, pena).

Isso sem falar da enoooorme ala greco-romana, das salas com armas medievais (INCRÍVEL), da arte da Mesopotâmia…

É um puta museu. Vale a pena (se você curte museus – eu amo).

Saímos de lá – com muito ainda para ser visto, infelizmente – e fomos comer Cheesecake em uma bakery recomendada pelas nossas roomates alemãs do hostel, o Magnolia Bakery.

Mandei um “Caramel Pecan” dos deuses. Que delícia (pagando U$ 7 dólares o bolinho devia até ser de ouro).

Já no lusco-fusco, voltamos para o albergue para as mudanças de hoteis. Primeiro levei minhas coisas para o Mayfair New York, no coração da Midtown, em plena 49th. A minha última noite foi outro presente do papai. Bom mesmo, porque custou U$ 190 UMA NOITE, sem café da manhã. Falei que NYC é cara, gente.

Os funcionários eram SUPER prestativos, me ajudaram muito com tudo. Mas o quarto era um cubículo, mal coube minha mala. O que importava mesmo era uma cama e um banheiro só pra mim.

Em seguida voltei ao metrô e fui com a Pri para a Chinatown, onde ficava a espelunquinha em que ela passaria a última noite.

No metrô, uma mulher esnobe nos recriminou por estarmos indo com mala e cuia para Chinatown durante a noite. Ótimo, pq a Pri já estava morrendo de medo de passar a última noite lá, e implorou para ficar comigo – além de eu me recusar, o TAMANHO DO MEU QUARTO também recusou. Mas nem em sonho caberíamos nós duas e todas as bagagens no quarto.

Uma vez na Chinatown, jantamos em um asiático por lá, e vejam que coisa, foi a refeição mais saudável em 6 dias de Nova York.

Suco de frutas N-A-T-U-R-A-L (vcs não sabem a dificuldade de se achar um suco natural nos EUA) e uma espécie de yakisoba, só que mais gostoso.

Depois disso voltei para o meu hotel e dormi feliz e contente na minha cama grande, sem roncos, sem bagunças (além da minha), com banheiro só pra mim.

7 de abril – 

Último dia 😦

Acordei bem cedinho para aproveitar minhas últimas horas. Tomei um bom banho e desci pra recepção, onde o moço recepcionista  super atencioso me explicou como chegar até o limite da ponte que liga Manhattan ao Brooklyn – meu programa do dia seria atravessar seus quase 2 km de extensão.

Estava um dia lindo, e acho que metade da população mundial resolveu fazer o mesmo passeio que eu. Com isso, tirar fotos ficava difícil. Verdadeiras multidões passando por tudo que era lado.

Fora que a Brooklyn Bridge tava em reforma. Vários pedaços com tapume, mó triste. Ainda assim, foi um passeio fantástico, até porque gratuito.

Se liga no ‘visu’, que incrível! E no dia radiante!

NYC é só amor ♥

Brooklyn Bridge acá e Manhattan Bridge acolá.

Daquelas fotos que a gente sente orgulho:

Cheguei no Brooklyn e dei um pequeno rolê pelo parque que fica no fim da ponte.

Voltei pra NY e já tinha passado do meio-dia. Meu plano era ir no Museu do Sexo , mas saber que a entrada era mais de U$ 20 e seu acervo não era tudo isso, me bodiou. Acabei só visitando a lojinha. Incrível. Tinha um vibrador de U$ 250 (POIS É) que funcionava ao toque. Tipo, apertar forte, vibrava forte. Incrível. Fora bavárias invenções bizarras e coisas com formatos esquisitos.

Já no caminho de volta descobri uma feira de rua incrível, não lembro se na 6th ou na 7th avenida, sei que tomava quarteirões e mais quarteirões, e vendia desde comidas estranhas, sucos, bebidas, a vinis raros, roupas de brechó… Dava para gastar um dia inteiro.

Voltei ao hotel, peguei as malas e pontualmente no horário marcado pela internet, o shuttle para o aeroporto de Newark foi me pegar.  Cheguei no aeroporto mega cedo: 17h. Meu vôo era só às 21h e pouco. O jeito: conhecer CADA CENTÍMETRO QUADRADO e CADA LOJA do aeroporto – check, depois comer no restaurante japonês do aeroporto, com direito a drinque, e, por último, cervejas na chopperia, do lado do portão de embarque.

E assim terminou minha viagem incrível. =)

Z’Oropa 2010, parte 4 (final) – Londres

Olá, meu povo bonito!

Antes de mais nada, queria agradecer os comentários fofos do povo aqui, no twitter, no facebook… Não vou citar todo mundo, *medo* de esquecer alguém. Mas sintam-se abraçados 🙂

Agora é hora de finalizar o meu relato de viagem, beeeeeem atrasado, eu sei.

Então. Como devem se lembrar, fui de Glasgow para Londres de trem, numa segunda-feira. 4h de sono ininterrupto depois, chegava à estação de London Euston.

Me perdi um pouco para comprar o passe do metrô, acabei fazendo uma cagada em não comprar o bilhete semanal. O single, que faz apenas um trecho, é caríssimo:  £4. Lembrando que em São Paulo, onde o transporte urbano é falho e caro, o metrô custa R$ 2,65 por trecho (cerca de 1/3 do preço londrino). Enfim.

O metrô estava bombando e não demorei para ouvir brasileiros conversando. Já tinha consciência da quantidade de brasucas em Londres, mas ainda assim fiquei perplexa com a quantidade de compatriotas que trombei por lá, fosse no albergue, no restaurante, nas atrações turística.

Meu albergue ficava em Picadilly Circus, centrão de Londres. Próximo ao bairro boêmio de Soho, próximo ao Green Park e ao Hyde Park, perto de vários museus e da Trafalgar Square – o ponto central de Londres.

O albergue era caótico. Picadilly Backpackers, anotem aí. A localização não poderia ser melhor, mas… É Feio. Sujo. Camas barulhentas. Quarto apertado. Banheiro sujo e desagradável. Isso sem falar que a região inteira estava em obras. Acordava as 7h da manhã já com barulheira de bate-estaca. Um inferno. Ah! E não tinha café-da-manhã – até tinha, mas a £ 1 por 2 torradas SEM manteiga. Preferia sair de estômago vazio e comer uma coisa mais interessante (bagels, donuts e starbucks :D).

Mas voltando: já eram umas 18h. Larguei minhas coisas no quarto – compartilhado com outras 3 pessoas, ausentes no momento – e fui bater perna. Entrei num Starbucks pra tomar meu frapuccino querido na cidade onde o Starbucks nasceu. Lá, o atendente percebeu pelo meu sotaque que eu era brasileira. Ele também era. Me cobrou por um frapuccino pequeno, e me deu o maior deles. Nice. Valeu aí, brasileiro brother bonitinho.

Depois entrei numa loja de quinquilharias. O atendente TAMBÉM era brasileiro. E o ajudante também. ô raios. #melaaaarga.

Andei sem rumo até cair na Trafalgar Square, que é a praça mais importante de Londres. É onde o ano novo é comemorado. Onde as conquistas no esporte são celebradas. É como a nossa Av. Paulista.

Fui andando de volta para o albergue, sem saber bem o que fazer. Resolvi ir no Ripleys: Believe It Or Not, só porque era na esquina do meu albergue e eu estava cansada.

A atendente… brasileira, é claro. Contou que Vesgo, do Pânico, tinha estado lá dias antes e a entrevistado. Não que isso mude a minha vida nem a de vocês. – tô chata hoje –

O Ripleys Believe It Or Not é um museu de estranhisses. Quadros feitos de pennys (moedinhas de 1 centavo), esculturas de chiclete, vacas de três cabeças, uma estátua do cara mais gordo do mundo, e do mais alto. Eram sessões e mais sessões de bizarrices, bem legalzinho se você tem uma grana extra (custa £20 a entrada, pesado). A ala de instrumentos de tortura é bem interessante para quem curte história medieval.

Esqueleto de um ornitorrinco

Quadro feito de chicletes!

Saí de lá e tinham passado 3h! Eram 23h. Nem comi nada. Fui pro albergue, tomei um banho frio – simplesmente porque, descobri dia seguinte, a torneira de sair água quente era a torneira de água fria, e vice-versa. Mas é isso.

Antes de dormir conheci meus parceiros de quarto: uma italiana e um casal de irmãos suiços. Só lembro do nome do cara, era Sebastian. Roncava feito um porco.

Dia seguinte acordei sem planos. Tinha tanta coisa pra ver e fazer que eu não sabia nem por onde começar. Resolvi ser turistona e pegar o Big Bus (que a  Bel recomendou), uma das 300 empresas de ônibus de city tour vermelhinhos e de dois andares que rodam pelas principais cidades do mundo. Custou £ 24. Até ser a hora do primeiro ônibus, às 10h, fiquei conversando com o mocinho que me vendeu o ticket, um espanhol gatchéééénho que falava português super bem. Nem me importei de ser usada pro cara treinar o português dele.

O dia estava liiiiiiindo, e mas perfeito impossível, e o moço espanhol me alertou sobre o tempo: disse que faria 34º C (graus Célsius, thanks god. Mané ficar convertendo fahrenheit! estadunidense gosta de complicar).

Passei o dia no ônibus. Cada trajeto inteiro demorou horas, e fiz dois diferentes. Também fiz o passeio de barco (já incluso no preço). Passei por praticamente toda a Londres e fui marcando o que eu gostaria de ver nos próximos dias.

Umas fotos do passeio de bus:

Dia típico de cartão postal. Londrinos indo trabalhar e eu só admirando a cidade do alto do ônibus de dois andares.

Entrando na London Bridge!

Catedral St. Paul

Essa eu bati do barco \o/

Foi basicamente isso o meu segundo dia em Londres. Às 18h e pouco desci do ônibus perto do Green Park e fui andando pra Picadilly, pertinho. Tava vermelha do sol de quase 40º  o dia todo, desidratada e faminta. Comi no KFC, só pq morro de saudade daquele frango frito gordo e daquelas batatas smile (que, pra minha decepção, nem tinha). Voltei pro albergue eram umas 20h. Tomei banho e dormi. Ainda era dia.

3º dia em Londres. Decidi ir no Madame Tussaud, o museu de cera. £ 28 a entrada, beeeeeeem pesado. Tudo que economizei em Amsterdã tava indo. Mas valeu a pena. Divertidíssimo tirar fotos com os famosos de cera em tamanho natural. O Johnny Deep, aquele gostoso, é baixinho, ó:

#pegavafacil

Perfeito, embora o flash deixe muito aparente o brilho nada natural. Mas ao vivo dá medo.

Marley & eu.

Amy ♥

Shakespeare

Com a família real

Bonequinha de luxo

Enfim. Quando vi, já tinha passado boa parte do dia. Saí de lá e fui andando até o Museu Britânico, meio longinho. Passei num supermercado e comprei um sanduíche de salmão defumado + uma água + um pacote de batata frita por £1! Maravilha.

Os principais museus em Londres são gratuitos. E são obrigatórios por quem se interessa minimamente por arte e história – e eu me interesso muito. Taí o caráter extremamente intelectual da minha primeira vez em Londres.

AMEI o Museu Britânico. Muitos objetos essenciais para entender a história da civilização estão lá. Um deles é a Pedra de Roseta, que ajudou a traduzir os hieróglifos egípcios. Tinham várias alas. A de arte egípcia era incrível! Dezenas de sarcófagos e múmias.

Outra coisa bacana era uma ala para a história do dinheiro. Desde os primeiros objetos usados como moeda – corais, conchas, pedras – até moedas de ouro maciço, e notas de dinheiro grandes como uma folha A4… Incrível. E os instrumentos de tortura da Idade Média?

Cara, amo história.

Fico fascinada por essas coisas.  Me perco no tempo. Gastei 3h lá, mas poderia ter ficado 4 dias seguidos. Em várias alas, como a da Mesopotâmia, passei super rápido.

De lá, também andando, fui até a National Gallery. No caminho, passei por Soho e pela China Town.

Tinha meia hora para visitar a National Gallery. Fui pro essencial: Leonardo DaVinci e impressionistas. Quadros conhecidíssimos do Van Gogh estavam lá; do Monet também. Do Cezanne. De Renoir.

Nem sou muito ligada em quadros, não tenho sensibilidade de ficar analisando o tipo de pincelada e tal. Mas a estética me toca. Valeu muito a pena.

Entrada em estilo neoclássico da National Gallery

Às 18h, tive que sair já que estava fechando. Estava um sol forte e havia uma enorme concentração de gente na Trafalgar Square.  Dezenas de turistas de várias nacionalidades tiravam fotos até do chão. Pessoas de várias idades se sentavam nos degraus da entrada do National Gallery para ler um livro, conversar ou relaxar. E o mais importante: Muitos jovens comemoravam a classificação da Inglaterra para as oitavas de final da Copa do Mundo.

Aliás, fiquei impressionada com o fanatismo deles por futebol. Em todos os prédios havia no mínimo uma bandeira da Inglaterra pendurada. No Brasil, vi até que poucas bandeiras.

Fiquei um tempão admirando a concentração na Trafalgar Square. Daí fui comer alguma coisa. Optei por Mc Donalds (é, eu sei. Trash). Mc Donalds no exterior é um lance muito popular, impressionante. Comi, fui pro hotel, tomei um banho e dormi.

Quinta-feira acordei cedão planejando fazer uma viagem de dia inteiro pra fora de Londres. Fui até a agência, na Victoria Station, pra descobrir que não tinha mais lugar em nenhum passeio interessante. Acabei comprando pro dia seguinte um passeio para Warwick Castle, Stratford upon Avon e Oxford.

Daí tive que planejar na hora o que fazer com o meu último dia inteiro em Londres. Nem pestanejei: fui direto pro Museu de História Natural.

Uma construção LINDÍSSIMA.

E uma fila enorme pra entrar, também. Além de muito turista, VÁRIAS excursões de escola com crianças pequenas.

Queria uma infância com mais cultura no Brasil também!

Logo na entrada, uma estátua de Darwin.

O Museu tinha muita coisa para criança. Sessões com linguagem bem didática, objetos antigos dispostos para que as pessoas pudessem tocar. A pirralhada ficava louca. Ótimo – história atraindo a atenção de crianças é um bom começo.

Museu de História Natural é um barato. Esqueletos de dinossauros, animais empalhados, botânica… O que me chamou muito a atenção foi a ala de minerais e pedras preciosas. Nunca tinha visto coisa parecida. CADA pedra que vocês não tem noção.

Algumas estavam dispostas como um arco-iris. Fantástico. Infelizmente, minha câmera vagabundinha não pegou nem 10% da beleza disso.

A seção dedicada ao espaço também era fodona.

É nítida a importância que o governo e iniciativas privadas dão a museus na Europa. Estão sempre cheios, as instalações são perfeitas e bem cuidadas, o staff é grande e atencioso.

Recorde: entrei às 10h no museu e saí às 16h rumo a mais um museu. O Imperial War, dica do meu primo, o @gustavofsalles.

A entrada era uma graça, dentro de um parque.

Pensei que seria um rolê cultural mais “de menino”. Essa coisa de tanques, e aviões… O hall de entrada também dava essa impressão.

Mas NADA a ver. Só deu tempo de ver rapidamente as alas das 1ª e 2ª Guerras Mundiais.

INCRÍVEL. Desde o uniforme usado pelos soldados, até símbolos da guerra, prataria, cartas e decalarações, material de publicidade da guerra…

Impressionante.

Voltei pra região de Picadilly. Dei uma volta por lá, procurando boas opções pra comer. Pensei em atacar de mexicano, mas nem tava afim de gastar £ 40. Acabei num pub gostosinho. Comi uma carne assada com batata, bem inglês, acompanhado de cerveja. Viajo sozinha mas passo bem.

Estufada, fui pro albergue. Até pensei em sair e ir prum bar ou algo assim, mas desisti. Morrendo de sono e sem pique de socializar.

Sexta-feira acordei cedão e fui pra Victoria Station fazer meu day trip por Warwick, Stratford e Oxford.

A guia era espanhola, e falava tudo em inglês e espanhol. Ótimo, porque assim o que não entendia em inglês entendia em espanhol.

A primeira parada foi Warwick Castle, onde morou Madame Toussand e outros. É um castelo bem medieval mesmo, você se sente nos desenhos da professora de história explicando sobre feudos. Tem um fosso ao redor do castelo, tem jardins, tem uma igrejinha. A cidadezinha cresceu ao redor do castelo.

Foto medonha com o sol na minha cara. Mas é só pra falar “eu fui”. haha (era dia de jogo do Brasil; isso explica a minha camiseta).

Quando estava indo embora, vi uma ave ENORME fazendo rasantes pelo campo do castelo. Estava no finzinho de uma exibição. Uma águia maravilhosa. E gigante. Puta bicho GRANDE.

De lá, fomos até a cidade de Shakespeare, Stratford Upon Avon. Sou uma pessoa sem cultura e nunca li Shakespeare. #medeixa. Mas um dia leio.

Uma graça a cidade. Nada Ó, QUE INCRÍVEL, mas foi bacaninha entrar na casa em que ele nasceu. Era uma família “com posses”, uma das poucas na cidade que tinha cama naquela época.

Fiquei viajando mesmo foi no jardim da casa.

No caminho para Oxford, nossa última parada, a guia fez um desvio para nos mostrar umas casinhas lidinhas típicas da região. Ela disse que esse tipo de teto é caríssimo e demonstra nobreza. Mas não entendi que raio de material que era nem em inglês, nem em espanhol:

Então, rumamos à Oxford, que é cheia de história e cultura, além de conter resquícios harrypotterianos ♥.

E aí a gente lembra do primeiro HP.

E a sala comunal, gente?

Malz pela foto ruim.

That’s it.

Fiquei em dúvida do que fazer na última noite. Acabei não fazendo nada e indo dormir cedo de novo. Raios. Isso é foda de viajar sozinha – alguém pra te chacoalhar e dizer: vamo pra gandaia que é a última noite. Sozinha o meu rolê é outro.

Mas tudo bem, porque madruguei no sabadão para conhecer a Porto Bello Road, feirinha de antiguidades, comidas, tranqueiras e muitas coisas mais. INCRÍVEL. Tem de tudo. É uma Benedito Calixto vezes um milhão. E mais. É um bairro inteiro.

Foi bom porque cheguei cedinho, eram 8 e pouco da matina. Tava vazio e pude bisbilhotar barriquinhas e sentir cheiros em paz. O que mais me impressionou foi a diversidade de barracas de comidas. Da óbvia (e não menos boa) italiana, com seus antepastos:

Até as mais bizarras, como a culinária de Uganda:

Saudável, né?

Ó a “entrada” da Porto Bello Road aí.

Para coroar, comi um belo de um waffle com mel. E rumei para a minha última parada antes de dar tchau. Uma outra pegada cultural, o Covent Garden: cafés, restaurantes, manifestações artísticas, lojinhas de artesanato se misturam. DELÍCIA de lugar. Pra passar um fim de semanas inteiro. Infelizmente, só pude dar uma volta rápida.

Depois, voltei pro albergue pra buscar minhas coisas. Fui pro aeroporto. Cheguei cedo. RÁ. Que merda. Mas beleza. Percorri as milhares de lojas do aeroporto – até uma micro Harrods tinha por lá. O Heathrow Airport é um puta dum shopping center, pra dar a real.

Enfim.

Meu vôo de volta era bizarro. Ia até Frankfurt, Alemanha, pra de lá vir pro Brasil.

Mas valeu a pena a esticada fora da direção. As colinas verdes e os lagos límpidos ao redor de Frankfurt me chaparam. Nunca tive muita vontade de ir à Alemanha até aquele momento. Que puta lugar lindo!

Cheguei atrasadaça. Thanks god que mó galera tava em conexão também.

Foi entrar na sala da espera que mudou o clima. SÓ BRASILERAIADA. Atendentes da TAM falando em português com a gente. No primeiro instante é sempre bom ouvir aquela língua tão sua. Mas passa 1 minuto e já dá saudade do inglês.

Puta zoeira no avião. Sentei do lado de um cara de Goiás, que devia ter uns 3 metros de altura. Delícia sentar do lado de gigantes na classe econômica. Ah! O vôo teria 14h. Mais delícia ainda.

Mas não sei por que cargas d’água consegui dormir bastante – vai ver porque o vôo inteiro foi a noite, e chegou em São Paulo 5 da manhã. Brisa louca ficar 14 horas sem amanhecer.

E assim acaba a minha história.

Até a próxima – que continua semana que vem, com uma viagem à Bogotá. Uma cidade perto, tida como muito bonita, mas que não desperta muito interesse dos brasileiros. Enfim. Quinta que vem tô colando lá e passo 4 dias.

Beijos a todos. Se alguém aí já foi pra Bogotá, entre em contato! 😉

Z’Oropa 2010, parte 2 – Amsterdã

Bom, vamos lá. Continuando:

Depois de me recuperar do stress com a polícia holandesa, fui tentar me virar para ir pro albergue. Tudo que eu tinha era o nome da rua “Zandpad”, porque emoção é o meu nome. Ah, importante dizer que com o stress no aeroporto esqueci de pegar um mapa.

Olha, mapa é mais importante do que roupa numa viagem. Me fudi.

Depois de seguir instruções de metade da população holandesa (impressionante como TODAS as mulheres parecem a Ana Rickmann), achei o parque Vondelpark. Meu albergue estava em alguma das saídas dele. Eram quase 9 da noite e o sol brilhava como se fosse 3 da tarde. Ah, o verão europeu. Mas o frio já dilacerava os meus lábios. Os holandeses, por outro lado, faziam piquenique, andavam de bicicleta, de patins e caminhavam com roupas de pleno verão. Shortinho curto, blusa cavada, vestinho… Êta povo tropical mal acostumado que somos.

Depois de dar umas três voltas (calculo eu) pelo maior parque de Amsterdã (é claro), me achei.

Gracinha meu albergue, não? Construção tipicamente holandesa. Na verdade, são três prédios, mas só esse é bonitinho 😛 (do outro lado da rua fica o tal parque)

Entrei no meu quarto – para 6 pessoas – mas só 2 camas estavam ocupadas. Uma delas com aspecto de “armário”. 2 pessoas tomavam banho. “Fudeu: casal”, pensei. Minha sina, não adianta.

Saiu do banho uma japonesinha primeiro. Soltei um “hello” e ela um “alô”, assim mesmo. Aí perguntei da onde ela era: Brasil, São Paulo. haha mas é claro! Seu nome era Renata. Um tempo depois, o namorado saiu do banheiro, o Pablo. Era a última noite deles em Amsterdã, e me convidaram para sair por aí, não sem antes terminar com a Absolut cheia que estava na nossa frente.

Gostei do casal.

Estranho como ficamos apenas umas 12h juntos mas rolou um entrosamento sensacional, que raras vezes encontrei nas minhas viagens (que já são numerosas, thanks god!). Além disso, o Pablo era cheio dos lances espíritas. Queria me fazer ver as coisas por outro ângulo e que eu me soltasse mais. Tipo, nem me conhece mas me leu.

Aliás, me lembrem de mandar e-mail pra eles. Até hoje, quase 1 mês depois, ainda não mandei.

Lá pelas 23h, finalmente, começou a anoitecer. A cidade é meio morta depois que anoitece. Exceto o Red Light District, o famoso bairro da esbórnia, que tem mil coffee shops (onde vende maconha legalizada) e boates com prostitutas que se expõem na vitrine. Entendo o apelo do lugar, mas é pra turista ver. Porra, sou brasileira. Samba, mulher pelada na tevê em qualquer horário, traveco na Rua Augusta, checked. Mas imaginem um, sei lá, nórdico. Os gringos das terras distantes do primeiríssimo mundo ficam doidos. Tem oriental, tem gorda, tem magrinha, tem negra, tem loira, tem morena. Muitas delas são lindíssimas. A maioria, eu diria. (não, não tirei foto. Não saí com a câmera na primeira noite)

Sentamos várias vezes na beira de algum dos vários canais. Ficamos conversando e eles me apresentavam algumas variedades de maconha, haxixe e skank. Fumo muito raramente, mas poxa. Amsterdã.

Andamos pelo centro inteiro. City tour pela noite fria. Umas 3h voltamos ao albergue. Continuavamos só nós 3 no quarto, uma bênção. Bebemos um vinho vagabundo que eles tinham comprado anteriormente e… algumas poucas horas depois, já estavamos de pé.

Um café da manhã bem caprichado para um albergue. Tinha até nutella pra passar no pão, chique.

Anotem aí, crianças: se um dia forem para Amsterdã e ficarem em albergue, escolham um da rede StayOkay (são três na cidade. O meu era o Vondelpark, que não é TÃO perto do centro). A diária era coisa de € 20 por noite, com café-da-manhã incluído.

Ainda de manhã, fui com o Pablo a uma Coffee Shop conhecer o ambiente. Extremamente masculino e… bizarro. Nas mesinhas tinha seda disponível para a galera enrolar seus baseados!
Anyway… Eu não voltaria ali sozinha.

A tarde, aluguei uma bicicleta e, com meu mapa na mão, fui percorrendo as ruas e pontes sobre canais apinhados de gente andando de bicicleta. Gente de terno e gravata, mulheres com roupa social e salto alto (!), crianças de uniforme e mochila, pais com filhos nas costas, velhinhos, moças com flores na cesta. É um outro universo onde a bicicleta REALMENTE é um meio de transporte. Ninguém usa capacete nem nada, mas super funciona.

Minha bicicleta. O aluguel por 24h com seguro (furto de bicicleta é um crime grave na Holanda! haha) ficou carinho, € 17. Mas valeu a pena. Só assim para ter tempo de apreciar as paisagens sem me cansar tanto.

Um dos belíssimos canais… Maior paz

Um moinho de vento! Bem pra turista. Mas fazer o quê.

Passava horas olhando mapa e tentando decorar uma parte de um nome de alguma rua. Coisas como: Huygensstraat, Lennepkade, Passeendergraacht… Dêem uma olhada num mapa de Amsterdã. Tenso.

Mas passava tanto tempo entre bicicletas, visuais lindos, fotos (minha máquina é podre e a maioria das fotos nem vale a pena ser mostrada) e tal que esquecia de comer. Uma beleza ter acumulo de gordura no corpo, porque passava o dia inteiro bem. Ainda nesse dia fui ao museu Van Gogh, que achei meio decepcionante pelo preço – €14. Adoro Van Gogh e impressionistas no geral. Mas as grandes obras do Van Gogh não tão na Holanda! Tão no Louvre! Ou em algum museu de Londres. A tarde, deitei na grama ensolarada da Praça dos Museus, como toda a Europa adora fazer .

Na foto, dá pra ver o museu Rijksmuseum, o principal de Amsterdã (que tava em reforma :P). O do Van Gogh fica do lado oposto. Por isso “Praça dos Museus” :). Também dá pra ver um povo se exercitando, outro povo de boa no solzinho.

Sozinha a noite, não tinha tanta coragem para desbravar baladas (e nem curto, na real). Fui até o Hard Rock Café e fiquei por lá bebendo umas cervejas e saciando a fome.

18 de junho – Amanheceu um dia horrível. Cinza. Triste. Mas era o meu último e a diária da bicicleta ainda valia.

Resolvi ir na casa da Anne Frank, livro que por sinal levei para viagem e nem tinha acabado de ler ainda.

Para quem não sabe, a Anne Frank era uma menina de uma família judia que viveu escondida com seus pais, irmã e outra família em uma casa de Amsterdã durante a 2ª Guerra Mundial. O bacana é que eu ainda não tinha lido o final do livro, e a casa já GRITOU o final trágico que me aguardava. Mó spoiler 😛 HAHAHA
Para entrar no esconderijo da familia Frank, paga-se € 9.

Se você não leu, não selecione o texto a seguir. (Poxa, nem sabia que todos  que tavam escondidos na casa eram presos e que só o pai da Anne voltaria com vida dos campos de concentração – e que ele quem publicou o seu diário.)

Enfim. BEM impressionante.

Depois, pra relaxar, fui na Heineken Experience. Olha, nem sabia que a Heineken é holandesa, então disfarça.

O lugar é a primeira fábrica da marca. E o tour é INCRÍVEL – para quem gosta de cerveja pelo menos. Mas o preço é salgaaaado. € 22.

Além da degustação (são ao todo 3 copos), tem toda a história da marca, o processo de fabricação e fermentação… Até nos dão pra provar o chá de cevada, ou melhor, a cevada ANTES de fermentar. Parece chá de regime haha. Para os publicitários, tem uma câmara com todos os comerciais da Heineken desde 1950 e lá vai bolinha. Toda a mudança de comportamento na sociedade, o espaço da mulher, a tecnologia, o lazer e o trabalho… Tá tudo lá. Vale a pena.

Morrendo de fome, fui achar o que comer. Entrei num bar com telões. Tava passando um jogo dos EUA X Esvolênia (ou Eslováquia?). No cardápio, uma coisa chamou minha atenção: ribs all you can eat for €9. Ahhh malandro! Cara, comi T-A-N-T-O. E ainda tomei dois baldes de cerveja (€2 cada, só!). Achei positivamente que ia cair morta. Mas aí um gringo doido começou a conversar comigo e com a menina da mesa ao lado, que, olha só: era brasileira. Carioca. Conversamos um pouco mas a achei muito blé. O português falado atraiu mais dois brasileiros que moram em Amsterdã. Ficamos papeando bêbadamente.

Já menos estufada de comida, parti para fechar com chave de ouro. Um passeio de barco pelos canais (€ 12).

A bandeirinha, o canal, uma ponta cheeeeia de bicicletas e uma pergunta: por que a seleção holandesa joga de laranja, se sua bandeira é azul, vermelha e branca???

Cara, tem cisnes e famílias inteiras de patinhos nos canais de Amsterdã, uma cidade com quase 1 milhão de habitantes! Ô primeiro mundo…

Um lindo exemplar de uma casa-barco. Imagine, morar em um barco? Em Amsterdã milhares de pessoas vivem assim.

Do passeio de barco voltei para o albergue para buscar minhas coisas. Fui para o ponto do tram (ou bonde). Fui até a Amstel Station, de onde ANOS-LUZ depois o meu ônibus para Londres saiu. Sim, decidi ir de ônibus pela economia: 1 noite a menos de hotel e menos de € 40. Só não contava com um ônibus sem banheiro (oi, 12h de viagem), uma poltrona desconfortabilíssima, um motorista que passava metade do tempo falando ao celular (AHAM!!! TE JURO!!! NA EUROPA!!!) ou ficava assoviava melodias medonhas. ah, e é claro: não contava com paradas longuíssimas na fronteira com a França e na fronteira com o Reino Unido (coisa de ” raioxizar” todas as malas and stuff). Isso porque só PASSAMOS pela França. Por outro lado, na fronteira com a Bélgica foi tranquilo…

Mais uma parte termina aqui.

No próximo capítulo: Londres com papi, Glasgow, Edimburgo e Paul Mccartney.